5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente: nada a comemorar e muito a lutar

“Hoje é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente, que foi criado pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 15 de dezembro de 1972. Desde então, todos os anos, neste dia, relembramos a necessidade da preservação do meio ambiente. Infelizmente não há o que comemorar”, alertou o deputado estadual Goura (PDT-PR), nesta sexta-feira, dia 5 de junho.

“Hoje temos governos cuja orientação não tem compromisso com políticas ambientais sérias e efetivas. O desmonte da legislação ambiental e o enfraquecimento dos órgãos ambientais são prática comum”, criticou.

Confira abaixo o vídeo com o discurso sobre o Dia Mundial do Meio Ambiente:

Ele disse que, para aqueles que agora estão no governo, a preservação e fiscalização ambiental são considerados problemas. “E, para eles, os defensores do meio ambiente são inimigos a serem derrotados”, comentou.

Goura lembrou um levantamento da Global Witness que aponta que de 2002 até 2019 foram pelo menos 653 execuções de ambientalistas no Brasil. “O país é o quarto país do mundo com a maior quantidade de assassinatos.”

Desmatamento

O deputado lembrou que Paraná é o terceiro estado com maior índice de desmatamento de Mata Atlântica no país, com um aumento de 35% neste período, segundo o Atlas da Mata Atlântica, divulgado no final de março, pela Fundação SOS Mata Atlântica e INPE.

Leia a matéria e baixe o Atlas da Mata Atlântica clicando na foto abaixo:

“A Mata Atlântica perdeu 29 hectares por dia em 2019, no Paraná. Hoje, o estado tem 10% da área original da Mata Atlântica, que já cobriu mais de 90% do nosso território”, alertou Goura.

Araucária em extinção

“O mesmo se dá com outro remanescente florestal no estado. A Floresta de Araucária continua sem política pública de preservação e está ameaçada de extinção. Resta 0,8% de floresta com araucárias e 0,1% de campos naturais no Paraná. E tais remanescentes continuam a ser devastados.”

Assista ao vídeo sobre a araucária abaixo:

Goura disse que as unidades de conservação, os parques estaduais, não recebem a devida proteção e investimentos para a sua manutenção e que o mesmo acontece com os nacionais.

“No passado recente, se ameaçou uma redução de 70% da APA da Escarpa Devoniana, nos Campos Gerais, e se apoiou a reabertura da estrada do Colono, no Parque Nacional do Iguaçu. Ambas as tentativas foram frustradas”, explicou.

Veja, abaixo, o vídeo sobre o sobrevoo no qual se constatou que a Estrada do Colono não existe mais:

Mas o deputado, disse que as ameaças às unidades de conservação continuam, ou por omissão na fiscalização, ou por falta de investimentos e de pessoal para a sua manutenção. ‘Ainda assim, querem a flexibilização das atividades nessas áreas tão importantes para a conservação da biodiversidade”, alertou.

Muitos problemas

Goura disse que a falta de políticas públicas ambientais acaba por prejudicar não só ao meio ambiente, mas toda a sociedade. “Falta saneamento básico, de gestão correta dos resíduos sólidos e do uso e reuso da água também são problemas ambientais”, disse.

Ele disse que todos somos obrigados a consumir, todos os dias, água contaminada por agrotóxicos. “Uma calamidade pública que afeta a saúde de milhões de pessoas e envenena animais, plantas e o solo.”

Goura também lembrou da estiagem que aflige o Paraná e cria um problema grave de falta de água para o abastecimento da população e para as atividades econômicas.

O mandato Goura produziu um vídeo sobre o problema da falta de água, confira abaixo:

“Este é um problema que poderia ter sido evitado ou ao menos minimizado se a legislação e a fiscalização ambiental tivessem sido cumpridas. Com a preservação das florestas, das matas ciliares e das nascentes, os rios e mananciais estariam em melhores condições”, afirmou.

Segundo ele, as represas da Sanepar, em Piraquara, são prova disso. Mesmo com 10 meses de pouquíssima chuva, que também é consequência do desmatamento na Amazônia, estão com seus níveis de água superiores da 90%.

Litoral ameaçado

Goura disse que outra prova de que não se dá a necessária importância à preservação ambiental são as propostas de construção do Porto de Pontal e da Faixa De Infraestrutura, no Litoral do estado. “Com o agravante de que vão utilizar recursos públicos para financiar empreendimentos privados em valores superiores a R$ 300 milhões.”

Assista, abaixo, o pronunciamento do deputado criticando a construção da Faixa de Infraestrutura:

“Serão ao menos 140 impactos ambientais, sociais e econômicos negativos, com a construção de uma estrada de 24 quilômetros em uma das áreas mais preservadas da Mata Atlântica no Brasil”, disse.

“Nosso Litoral tem uma vocação para o turismo sustentável como poucos lugares no mundo o têm. É um litoral pequeno, mas muito rico em atrativos naturais que despertam a curiosidade do mundo por sua beleza e exclusividade”, destacou.

Confira, no vídeo abaixo, a crítica ao corte ilegal da restinga no nosso Litoral:

Desconexão com a natureza

O deputado chamou a atenção para a desconexão com a natureza que muitos fazem questão de promover no atual momento no Brasil.

“Não podemos perder nossos vínculos com o meio ambiente. Temos que preservar e conservar nossas riquezas naturais. A crise do novo coronavírus está aí para provar que se não fizermos nada, se não agirmos a partir de agora, nosso futuro como sociedade e civilização está fatalmente comprometido,” denunciou Goura.

“Está em nossas mãos mudarmos essa realidade. Viva o Dia Mundial do Meio Ambiente.”