Em reunião com o diretor-presidente da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), Gilson dos Santos, o deputado estadual Goura (PDT) se prontificou a colaborar na elaboração do projeto do Parque da Pedreira do Atuba e na criação e estruturação de rotas de cicloturismo na Região Metropolitana (RMC).

 

A criação do Parque do Atuba, que fica no limite entre os municípios de Curitiba e Colombo, foi discutida em audiência pública organizada pelo deputado Goura, em parceria com o vereador de Colombo Anderson Prego (PT), no dia 13 de maio.

 

Veja matéria aqui.

Audiência pública sugere criação do Sítio Geológico Parque da Pedreira do Atuba

 

A proposta é transformar a pedreira, que hoje é utilizada como depósito de carros, em um parque com espaço para práticas esportivas, pistas de caminhadas, centro de eventos, espaço para shows, restaurantes e outros atrativos.

 

Goura afirmou que a iniciativa de implantação do parque é positiva, mas precisa ser discutida com a população e, principalmente, com as entidades e os praticantes dos esportes que podem ser desenvolvidos naquele espaço, como por exemplo o skate e a escalada.

 

Sítio Geológico

 

Goura também citou a importância da parceria com as universidades e disse que há interesse na criação de um sítio geológico naquela área da pedreira que pode servir para pesquisas e o ensino de Geologia.

 

Carta da Sociedade Brasileira de Geologia

 

Em carta encaminhada ao deputado Goura e ao diretor-presidente da Comec, a Sociedade Brasileira de Geologia (SBG) afirmou que o local é um dos raros remanescentes de exposições de rochas do tipo migmatitos e gnaisses que afloram na Região Metropolitana de Curitiba.

 

“Na Pedreira do Atuba, estas rochas afloram em condições excepcionais, ao longo de um extenso paredão, com rochas não afetadas pelo intemperismo”, justificou a SBG, afirmando que o local apresenta todos os requisitos para a sua preservação e criação de um Geossítio.

 

Leia a carta abaixo.

 

 

Ciclovia Curitiba – Piraquara junto à Ferrovia

 

Outro ponto discutido foi o fortalecimento do cicloturismo na Região Metropolitana. A Comec trabalha com a criação de uma ciclovia junto à Ferrovia ligando Curitiba à Piraquara, passando por Pinhais, e na estruturação de uma rota de cicloturismo que contempla 11 municípios do Sul da RMC

 

Gilson dos Santos afirmou que a discussão sobre a ciclovia junto à ferrovia já foi iniciada com a Rumo, empresa que opera a ferrovia, e que não houve manifestação contrária ao projeto.

 

Goura avaliou que um projeto desse porte vai estimular o cicloturismo na região e sugeriu a realização de um concurso público de projetos com a participação do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) e do Conselho Federal de Arquitetura e Urbanismo (CAU) para a criação dessa ciclovia.

 

Cicloturismo e desenvolvimento econômico

 

Gilson dos Santos apresentou o projeto de estruturação de uma rota de cicloturismo envolvendo os municípios da Região Sul da RMC. O objetivo, segundo ele, é estruturar diferentes circuitos para que as pessoas possam se programar para ficar na região por alguns dias e não apenas passar por eles.

 

“Hoje a gente não atrai pessoas para deixar renda nas cidades. Elas vão e voltam no mesmo dia. Podemos pensar em circuitos para três, cinco e sete dias. Isso fomentaria a rede hoteleira, restaurantes e demais pontos turísticos, gerando desenvolvimento econômico para os municípios”, afirmou Santos.

 

Goura é autor da Lei do Cicloturismo no Paraná. Ele afirma que com a lei é possível promover a valorização da cultura e dos atrativos do Paraná de uma forma diferenciada, assim como valorizar também as comunidades e as economias locais.

 

“Porém, para o desenvolvimento dos projetos são necessários investimentos do poder público e a participação da população, dos órgãos e entidades do setor. Nós estamos dispostos a colaborar no que for necessário”, afirmou.

 

Outros assuntos

 

Goura e Gilson também discutiram questões gerais de planejamento e desenvolvimento integrado da Região Metropolitana como a elaboração do Plano de Desenvolvimento Urbanos Integrado (PDUI), planos diretores municipais e questões administrativas da região.