O deputado estadual Goura (PDT), esteve, neste final de semana, nos dias 22 e 23, em Antonina, no Litoral do Paraná para cumprir diversas agendas: de lançamento de livro sobre ciclomobilidade, visita à usina hidrelétrica e ao acampamento do MST, que é modelo de produção agroflorestal.

Livro

Na sexta-feira (22), Goura esteve no lançamento do livro “O Brasil que Pedala – A cultura da bicicleta nas cidades pequenas”, que mostra o cotidiano das cidades onde mais se usa a bicicleta no país e que inclui Antonina. Os textos foram baseados em pesquisas inéditas realizadas pelos autores especialmente para o livro.

Lançamento do Livro O Brasil Que Pedala - Antonina

A pesquisa e o artigo do livro foram produzidos por David Couto, mestre em Sociologia Política (UFSC), cicloativista e morador de Antonina; por José Carlos Belotto, mestre em Desenvolvimento Territorial Sustentável (UFPR), cicloativista e coordenador do Programa CicloVida (UFPR) e Silvana Nakamori, mestre em Planejamento e Governança Pública (UTFPR) e Coordenadora de Publicações do Programa Ciclovida (UFPR).

“O livro é um trabalho importante sobre a mobilidade ativa nas cidades brasileiras, em especial nas cidades pequenas. Aproveitamos pra reforçar a demanda pela construção de uma ciclovia entre Morretes e Antonina. Uma obra viável e necessária para a segurança dos ciclistas do nosso Litoral e para estimular o cicloturismo na região”, disse Goura.

Usina

O deputado Goura, acompanhado de assessores do gabinete e familiares, visitou, na manhã de sábado (23), a Usina Hidrelétrica Governador Parigot de Souza, também em Antonina, e que é a maior central subterrânea do sul do país, com potência de 260 MW e reservatório em Campina Grande do Sul. “É uma obra de engenharia impressionante. Fomos muito bem atendidos pelo pessoal da Copel, que nos explicou tudo sobre a usina”, comentou.

Visita Usina Hidroelétrica Parigot de Souza

Acampamento agroflorestal

Goura também visitou o acampamento José Lutzenberger, que ocupa parte da Área de Proteção Ambiental (APA) de Guaraqueçaba, no Litoral Norte. Desde 2003, os agricultores conciliam a produção de alimentos livres de agrotóxicos com a recuperação da Mata Atlântica. A comunidade ganhou o prêmio Juliana Santilli, na categoria ampliação e conservação da agrobiodiversidade, e tem sua história de mais de 15 anos como tema do documentário “Agroflorestamento é Mais”.

“Foi uma experiência muito significativa. Tivemos um almoço agroecológico, no Rio Pequeno, em Antonina, e conhecemos a experiência do cultivo agroflorestal praticado pela comunidade, que recuperou uma área devastada pela criação de búfalos. É um exemplo de fartura e respeito à natureza neste acampamento do MST no nosso litoral”, disse Goura.

Acampamento do MST José Lutzenberger

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here