Logo em seguida ao anúncio, em meados de janeiro, da Prefeitura de Curitiba da implantação de mais um binário em Curitiba, o terceiro desde 2017, nas ruas Nova Aurora e Ourizona, no Bairro Novo, no Sítio Cercado, o então vereador, hoje deputado estadual, Goura fez, na Câmara Municipal, um requerimento com sugestão ao executivo para que se implantasse também ciclovias no novo binário. “Foi uma boa surpresa ver esta sugestão implantada neste novo binário”, comentou Goura ao elogiar a iniciativa.

Proposta feita pelo então vereador Goura, em janeiro de 2019.

O novo binário passou a funcionar no início de abril e tem extensão de três quilômetros, no trecho entre as ruas Pinhalão e Coronel Joaquim Antônio de Azevedo. A Rua Ourizona vai ao Alto Boqueirão e a Nova Aurora segue no sentido do bairro Umbará. Foi nela que a ciclofaixa foi implantada no trecho entre a Coronel Joaquim Antônio de Azevedo e a Tijucas do Sul. Nas duas últimas quadras a ciclofaixa será compartilhada com os pedestres.

“Com este 1,5 km de ciclofaixa, finalmente a prefeitura retoma a iniciativa de termos mais infraestrutura cicloviária na cidade. O que é bom. E também está relacionado ao Plano de Estrutura Cicloviária que o IPPUC anunciou a pouco tempo”, comentou Goura. Segundo ele, o plano tem pontos positivos, mas precisa ser melhor discutido e ter novos prazos para ser aplicado.

Plano Cicloviário

“Não é possível que um gestor municipal diga que para aplicar um plano cicloviário que prevê a duplicação da atual malha, que é de 200 km aproximadamente, em dez, quinze anos não faz sentido. Este tempo pode ser, com vontade política, bem mais curto. Basta querer implantar uma política de ciclomobilidade efetiva para Curitiba”, criticou Goura.

O deputado disse esperar que a nova ciclofaixa tenha ligações futuras com as outras infraestruturas previstas pelo Plano Cicloviário. “Reconhecemos o feito da prefeitura, mas reiteramos que está é uma medida paliativa aos impactos ocasionas causados pelo binário, que prejudica a mobilidade geral de pedestres e ciclistas”, avaliou Goura.

O deputado disse que a criação de binários é uma solução que beneficia o veículo motorizado individual e contraria as diretrizes estabelecidas pela Política Nacional de Mobilidade Urbana. “Ela estabelece como prioritários os modais não motorizados, seguido dos transportes coletivos e por último o veículo individual. Também torna a circulação de veículos mais veloz, aumentando os riscos de fatalidades, entre veículos, bicicletas e pedestres”, finalizou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here