Que a Pedreira do Atuba vai se transformar em um novo espaço público para atender os moradores tanto de Colombo como de Curitiba, já que ela está localizada na divisa dos dois municípios, ninguém tem mais dúvidas. E já tem até proposta de nome: Sítio Geológico Parque da Pedreira do Atuba.

 

Tanto pelo que foi dito na audiência pública “Pedreira do Atuba: Desafios e Possibilidades”, realizada na noite desta quinta-feira (13), quanto pelo que foi noticiado pela Prefeitura de Colombo, também nesta quinta, sobre a criação do Parque da Pedreira.

 

Leia a matéria sobre o parque publicada no site da Prefeitura de Colombo clicando na foto abaixo:

 

 

Audiência pública

 

“Quero saudar os participantes desta audiência dizendo que ela já obteve resultados mesmo antes de acontecer”, disse o deputado estadual Goura (PDT), organizador da audiência on-line em parceria com o vereador de Colombo Anderson Prego (PT).

 

O deputado destacou que a iniciativa da criação do Parque da Pedreira só reforça a importância das políticas públicas integradas para os municípios da Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

 

“Colombo e Curitiba são municípios conurbados na região do Atuba. A pedreira na atual situação, de depósito de carros apreendidos pelo DER-PR, não cumpre a sua função social”, disse Goura.

 

Goura esteve na Pedreira do Atuba em junho de 2019, confira a visita:

 

“O anúncio de que a Comec, o Governo do Estado e a Prefeitura de Colombo implantarão o parque é ótima. Mas é preciso garantir a participação da população e, principalmente, dos representantes daqueles que praticam os esportes que lá poderão ser desenvolvidos.”

 

Assista abaixo a íntegra da audiência pública:

 

 

Espaço para esportes

 

Participaram da audiência representantes de entidades de esportes como o skate e a escalada, que defenderam que os praticantes sejam ouvidos e atendidos nas reivindicações para que o novo parque tenha as condições ideais para estas práticas esportivas.

 

O vereador Prego explicou que a iniciativa para a realização da audiência nasceu dos movimentos dos esportes radicais. “Nosso objetivo aqui é buscar soluções em conjunto para suprirmos a carência de local adequado ao esporte, à cultura e ao lazer”, disse o vereador.

 

Para ele, além de ser objeto da participação da comunidade, o projeto deve conciliar todas as possibilidades de ser um espaço público multiuso. “O parque também será importante para promover a inclusão social tão necessária nesta região tão carente de tudo.”

 

O diretor-presidente da Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba), Gilson Santos, disse que o anúncio da criação do Parque da Pedreira do Atuba tem o apoio do governador, da Secretaria da Administração do Estado, do DER-PR, que ocupa atualmente o espeço, e da própria Comec.

 

“A Pedreira do Atuba tem potencial para abrigar desde esportes convencionais como caminhada e academias até os esportes radicais como escalada. Também pode ser um espaço para shows e eventos”, informou Santos.

 

 

Montanhistas e escaladores

 

O presidente da Federação Paranaense de Montanhismo (Fepam), Marcio Hoepers, disse que a iniciativa de criação do parque tem total apoio da entidade e que é importante a ocupação de espaços públicos como este.

 

“Contem com a nossa colaboração para os estudos de viabilidade para a definição das rotas de escalada, com toda a segurança necessária, pois temos os melhores e mais experientes técnicos nessa área”, disse Hoepers.

 

Leandro Pereira, vice-presidente da Fepam, e o montanhista e escalador Dennis Juliam, disseram que a iniciativa de criar o parque e de se ter os paredões da pedreira aptos para a prática de escalada são iniciativas muito bem-vindas pelos praticantes do esporte de Curitiba e do Brasil. “A escalada é esporte olímpico”, alertou Pereira.

 

“Desde os anos 80 os escaladores tiveram na Pedreira do Atuba um local para poder treinar de fácil acesso. Lembro que eram mais de 30 rotas. Retomar isso é muito legal para fomentar a escalada. Já somos um polo de excelência e poderemos evoluir ainda mais”, disse Julian.

 

Espaço para o skate

 

O vice-presidente da CBSK (Confederação Brasileira de Skate), Carlos Eduardo Dias, disse que um dos objetivos da entidade é incentivar a criação de novos espaços para a prática do skate.

 

“O skate pode mudar vidas, o esporte muda vidas. Então, a criação do parque com espaços para a prática das diversas modalidades de skate tem todo o nosso apoio”, disse Dias.

 

Fábio Batata, presidente da associação de Skatistas de Colombo, que mora perto da pedreira, falou que a transformação da pedreira em espaço esportivo e cultural vai mudar a vida das pessoas da Região do Atuba.

 

‘É a democratização dos espaços públicos. Somos muito carentes de espaços qualificados para a prática do skate. Isso pode mudar com este parque. E vai mudar também a vida dos jovens que moram na região”, disse Batata.

 

Skate é esporte olímpico

 

“O skate pode promover a inclusão social e também pode ser uma opção de profissionalização já que é esporte olímpico”, lembrou o Fernando Johanson, presidente Pra Skate (Associação Paranaense de Desenvolvimento da Cultura e da Prática do Skate).

 

O vereador de Curitiba, Marcelo Fachinello, também disse que o espaço do futuro parque deve ser utilizado para a prática esportiva e para incluir socialmente. “Por isso, é importante escutar quem faz o esporte e quem faz a inclusão. Vamos colaborar da forma como pudermos com este projeto”, disse.

 

Sítio geológico

 

Uma das falas que mais chamou a atenção dos participantes foi a do professor do Departamento de Geologia da UFPR, Eduardo Salamuni, que explicou que a Pedreira do Atuba é um importante sítio geológico e que durante décadas foi objeto de estudo de pesquisadores e estudante de Geologia.

 

“O estudo desta pedreira nos permitiu entender a evolução geológica de toda a região de Curitiba e Região Metropolitana. Nela foi possível identificar três episódios importantes”, comentou Salamuni. “Por isso, essa área é conhecida como Complexo Atuba”, explicou.

 

“Quero aproveitar e sugerir que seja agregado ao parque que será criado o título de sítio geológico devido a importância que a Pedreira do Atuba tem para os estudos da geologia. também reivindicar que os estudantes e pesquisadores da Geologia tenham acesso à mão aos paredões e rochas”, sugeriu Salamuni.

 

Outras participações

 

O arquiteto Rodsun Junior apresentou o seu projeto de conclusão do Curso de Arquitetura “Reconversão Pedreira Atuba / Centro de Escalada e Skatepark”, com várias opções de ocupação do espaço da pedreira.

 

O educador ambiental e comerciante Diego Saldanha chamou a atenção dos participantes para a questão do tratamento de resíduos sólidos no futuro parque, com sugestão para que se faça a separação, tenha pátio de compostagem e também contemple o uso de energias renováveis, como a solar.

 

Outros que participaram foram Marcelo Nunes Monteiro, do Departamento de Esportes de Colombo e Tiago Campos, que representou Hélio Wirbinski, da Superintendência de Esporte do Estado, a Paraná Esportes.