Mandato Goura

Com apoio de Gisele Schmidt, Assembleia Legislativa organiza Audiência Pública de combate à LGBTIfobia

Em 17 de maio de 1990, a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID). A data, pela importância da decisão, virou um marco e vem sendo lembrada anualmente como Dia Internacional de Combate à LGBTIfobia.

 

Porém, 31 anos se passaram e a discriminação e a violência contra gays, lésbicas, bissexuais, trans e intersexuais segue fazendo vítimas, muitas delas fatais.

 

Por isso, o Mandato Goura, a Comissão de Direitos Humanos e o deputado Tadeu Veneri (PT) decidiram trazer essa discussão para a Assembleia Legislativa do Paraná propondo a realização de uma Audiência Pública para marcar o 17 de maio.

 

O evento contará com a organização de Gisele Schmidt, a primeira advogada transexual a subir na tribuna do Supremo Tribunal Federal (STF) para defender o direito de alteração do prenome (nome civil) e gênero (masculino e feminino) no registro civil, sem a necessidade de redesignação de sexo ou de autorização judicial.

 

Para o deputado Goura (PDT), a participação de Gisele Schimidt na construção de propostas de políticas públicas voltadas para a garantia de direitos da população LGBTI+ é um marco histórico para o Paraná e para a Assembleia Legislativa.

 

“É muito importante a Gisele trazer esse olhar e essa perspectiva de uma pessoa trans para dentro da Assembleia Legislativa. Ela vai auxiliar muito nas ações parlamentares nos próximos meses, com levantamento de dados da população trans no Paraná e nessa organização importantíssima da audiência pública do dia 17 de maio, junto com a Comissão de Direitos Humanos e o deputado Tadeu Veneri”, afirmou Goura.

 

Legislativo tem sido inerte na garantia de direitos

 

Gisele chamou a atenção para a importância de a Assembleia Legislativa fazer esse debate uma vez que a maioria dos direitos conquistados pela comunidade LGBTI+ foi garantida pelo STF, o que demonstra a inércia do Poder Legislativo.

 

“Por que até agora o Poder Legislativo tem sido inerte em garantir direitos à essa população? Temos agora aqui na Alep o Projeto de Lei N.º 607/2017, de autoria do deputado Paulo Litro, contra o racismo nos estádios e agora se estendeu à homofobia. Ótimo. Mas, e os outros direitos? Em décadas de pleito por nossos direitos, quais são de iniciativa do Legislativo?

 

Entre as principais conquistas da população LGBTI+ garantidas pelo STF destacam-se: casamento entre pessoas do mesmo sexo; a possiblidade de homens homossexuais doarem sangue; a possibilidade pessoas trans fazerem a retificação de prenome e gênero diretamente no cartório, e a criminalização da homotransfobia.

 

“Então, por isso é muito importante que haja debate no Legislativo para saber o que está acontecendo. Por que que o Legislativo não tutela a população LGBTI, o que falta para isso acontecer? Por que nós somos excluídas?”, questionou.

 

 

Retrocesso avança

 

Além de não garantir os direitos, algumas casas legislativas aprovam medidas que representam o retrocesso na luta contra a LGBTIfobia. Como é o caso da Assembleia Legislativa de São Paulo, que aprecia o Projeto de Lei n.º 504/2020, de autoria da deputada Marta Costa (PSD), que proíbe a publicidade, através de qualquer veículo de comunicação e mídia de material que contenha alusão a preferências sexuais e movimentos sobre diversidade sexual relacionados a crianças no estado de São Paulo.

 

“Então olha como está o Brasil. O Legislativo, ao invés de nos tutelar, pelo contrário, cria leis contrárias a nós, é um retrocesso. As pessoas alimentam o discurso de ódio e, o que é pior, o Brasil deveria ser regido pela Constituição, mas é regido pela Bíblia, por pessoas que infelizmente são fundamentalistas e querem dominar a população através do obscurantismo e da ignorância”, ponderou Gisele.

 

A falta de representatividade nas casas legislativas é um fator que favorece a não inclusão das pautas representativas. “E é aí que eu falo que a população LGBTI+ tem que votar em quem minimamente a representa, em quem defende as suas causas”, pontuou.

 

Violência Velada

 

O Brasil, conforme ressaltou Gisele, é o país que mais mata pessoas trans no mundo. Mas além desse estado de barbárie, a comunidade LGBTI+ sofre com a chamada violência velada, aquela em que a vítima fica incapacitada de agir para se defender.

 

“Uma pessoa trans, por exemplo, é muito difícil ascender ao mercado de trabalho. Eu mesma sou advogada, tenho um certo reconhecimento porque defendi no Supremo uma ação que possibilitou que as pessoas trans mudem de prenome e gênero no cartório, mas ainda assim faz anos que eu tenho procurado emprego e enviado currículo para todos os órgãos que você possa imaginar e para todas as pessoas que me conhecem, que são juízes, promotores, advogados, alguns políticos, e só escuto não”, destacou Gisele.

 

A advogada afirma ainda que a violência velada é sórdida porque colocada às pessoas que a sofrem à margem da sociedade.

 

“As pessoas falam: você é trans, que legal, como eu gosto de trans, como eu gosto de gays, você é advogada (…). Só que ninguém te convida para sair, para passar um Natal ou um Ano Novo junto com a família. As pessoas trans são usadas apenas como objeto sexual, como alvo de fetiche dos homens, ninguém assume um relacionamento. Então nós vivemos na mais absoluta solidão e somos excluídas mesmo. A violência física, se você sobrevive a ela, você pode ir até a delegacia e fazer um BO (Boletim de Ocorrência). Mas contra a violência velada, aquela decorrente da hipocrisia que existe em nossa sociedade, você não faz absolutamente nada”.

 

Serviço

 

Para colocar na agenda: dia 17 de maio a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Paraná realiza Audiência Pública de combate à LGBTIfobia.

 

Conheça um pouco mais da história de luta de Gisele Schimidt nesta entrevista realizada pelo Brasil de Fato Paraná.

 

 

 

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Get Curated Post Updates!

Sign up for my newsletter to see new photos, tips, and blog posts.

Subscribe to My Newsletter

Subscribe to my weekly newsletter. I don’t send any spam email ever!

Pular para o conteúdo