Mandato Goura

Goura pede ao TRE-PR atendimento presencial para regularização eleitoral nas comunidades quilombolas, indígenas e caiçaras

As dificuldades que as comunidades indígenas, quilombolas e caiçaras do Paraná enfrentam para ter acesso aos serviços online por meio da internet têm impedido que as pessoas resolvam suas pendências com a Justiça Eleitoral, como a regularização do título eleitoral, transferência de domicílio eleitoral ou outras decorrentes de ausência ou justificativa nas três últimas eleições.

 

O prazo para a regularização, segundo o calendário eleitoral, vai até 4 de maio para estar apto a votar nas Eleições de 2022, no primeiro turno em 2 de outubro e no segundo turno, caso necessário, em 30 de outubro.

 

O problema é que o procedimento é feito pela internet, por meio do Título Net e não presencialmente. Diante desse cenário e por conta das reclamações, o deputado Goura (PDT) se encontrou, na quarta-feira (23), com o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), desembargador Wellington Emanuel Coimbra de Moura, para tratar do assunto.

 

“Como as comunidades indígenas, quilombolas e caiçaras estão relativamente isoladas dos centros urbanos e devido às suas condições econômicas, as pessoas não têm acesso à internet de qualidade e por isso não conseguem acesso ao serviço”, disse o deputado, que é integrante da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

 

“Precisamos de uma ação específica nestas próximas semanas para intensificar o trabalho de regularização eleitoral nas comunidades indígenas, quilombolas e caiçaras do Paraná”, reivindicou Goura junto ao presidente do TRE-PR. Também participou da reunião a defensora pública federal, Rita Cristina Oliveira, coordenadora do Grupo de Políticas Etnorraciais da Defensoria Pública da União no Paraná.

 

“Acreditamos que a situação foi agravada com a pandemia, quando os serviços da Justiça Eleitoral passaram a ser essencialmente digitais”, destacou o deputado Goura.

 

 

TRE-PR presencial

 

O presidente do TRE-PR se mostrou sensível à demanda feita pelo deputado e pela defensora pública da União e disse que, apesar do prazo exíguo, irá tomar todas as providências ao alcance para tentar atender as reivindicações dessas comunidades de forma presencial nas próximas semanas.

 

Segundo ele, a possibilidade de atendimento presencial ou de se fazer mutirões não está descartada. “Essas ações deveriam ter sido tomadas anteriormente. sabemos que o prazo até o dia 4 de maio é curto, mas faremos o possível para atender esse pedido das comunidades”, disse Moura.

 

“Mas nunca é tarde. Já de pronto vamos comunicar todos os juízes eleitorais que estão nas comarcas próximas dessas comunidades sobre a possibilidade de fazermos o atendimento presencial e mesmo mutirões nas localidades”, comprometeu-se. “Vamos agir com urgência.”

 

A defensora pública elogiou a acolhida do pedido pelo presidente do TRE-PR e destacou a importância do pedido. “É uma demanda importante para que essas comunidades tenham não só os seus direitos políticos garantidos, mas todos os outros direitos como os sociais e econômicos. Todos devem ser beneficiados pelas políticas públicas”, disse Rita.

 

 

O Paraná tem, segundo dados do IBGE, 29 comunidades quilombolas e 38 indígenas em diversas regiões do estado.

 

Participaram da reunião o diretor-geral do TRE-PR, Valcir Mombach, a secretária de Planejamento de Estratégia e de Eleições do TRE-PR, Solange Maria Vieira e os assessores parlamentares Dante Barleta e Diogo Tavares.

 

 

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Get Curated Post Updates!

Sign up for my newsletter to see new photos, tips, and blog posts.

Subscribe to My Newsletter

Subscribe to my weekly newsletter. I don’t send any spam email ever!

Pular para o conteúdo