Mandato Goura

Goura defende aumentar prazo da licença-paternidade de 5 para 20 dias no Governo do Estado e Assembleia Legislativa

“Aumentar a licença-paternidade é um primeiro passo para reduzir desigualdades entre homens e mulheres, com possível transformação da sociedade. O cuidado com crianças é uma responsabilidade tanto de pais quanto de mães”, alertou o deputado estadual Goura (PDT), em seu pronunciamento feito, nesta segunda-feira (21), no Plenário da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

 

O deputado fez a afirmação ao anunciar que protocolou requerimento à Casa Civil solicitando o aumento da licença-paternidade dos servidores do Governo do Estado e da Assembleia Legislativa de 5 para 20 dias. “Essa mudança precisa vir de um projeto de lei do governador, portanto requeremos que o Governo do Estado tome essa previdência”, explicou.

 

Confira abaixo o requerimento enviado à Casa Civil do Governo do Paraná:

 

 

Segundo Goura, no Paraná, órgãos como a Defensoria Pública do Estado (DPE) e o Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) já estabeleceram o mesmo prazo de 20 dias para a licença-paternidade, seja por lei (DPE) ou por normativa interna (TJ). “Na verdade, gostaríamos que o benefício com esse prazo também fosse estendido à iniciativa privada, mas essa alteração depende de lei federal. Ressaltamos que no próprio Governo Federal a licença de 20 dias foi instituída através de portaria”.

 

Benefício para a sociedade

 

Goura explicou que a justificativa para essa mudança é que a licença-paternidade é um benefício não somente para o pai, mas para garantir o melhor interesse das crianças, que é um princípio de proteção à infância na legislação brasileira e internacional. “É extremamente desejável que o pai participe o máximo possível da criação dos filhos, sobretudo na primeira infância.”

 

Licença parenteral

 

O deputado disse que 20 dias ainda é um prazo extremamente curto e que é preciso evoluir muito nesse aspecto. “Na Suécia, por exemplo, que é a maior referência mundo afora deste direito, a licença remunerada é de 80 semanas (1 ano e meio) e é dividida entre os dois pais da forma que eles entendem melhor”, contou.

 

Goura citou também exemplos na América Latina. “Para citarmos outro exemplo mais próximo da nossa realidade, Chile e Cuba instituíram licença parental remunerada de 12 e 39 semanas, respectivamente. No caso do Chile, ainda há uma licença para a mãe de mais 18 semanas. Na Espanha tem aumento gradual do benefício. Atualmente, no país, os pais têm o mesmo tempo das mães: 16 semanas”, informou.

 

Mudança sóciocultural

 

“Tem estudo que mostra que essa conexão nos primeiros meses de vida é fundamental para que o homem se engaje nessa atividade de cuidado. É óbvio que o homem tem plena capacidade e potencial para ser cuidador”, disse Goura.

 

E alertou que “esse homem, através da paternidade, pode se enxergar como cuidador mais sensível e menos violento. Os homens são responsáveis pela maioria dos homicídios, pela maioria das violências domésticas. E são a maioria da população carcerária e a maioria da população de rua.”

 

O deputado disse que a paternidade também dá ao homem a chance de se enxergar como um ser que não é violento, que não é agressivo e que tem a possibilidade expressar outras emoções além da raiva que, muitas vezes, é o único idioma masculino.

 

“Embora a Constituição Federal diga que homens e mulheres são iguais em questão de diretos e deveres à proteção à criança, quando se trata de licença-paternidade ainda existe uma desigualdade”, destacou Goura.

 

Está na Constituição

 

No Brasil, a preocupação com relação à busca da igualdade de gênero também é ampla, a começar pela licença maternidade, que está assegurada constitucionalmente para empregadas gestantes pelo período de 120 dias (art. 7º, inciso XVIII da Constituição), período em que inexistem atividades laborativas, mas a empregada continua a receber os salários.

 

No caso de a empresa ter aderido ao programa “Empresa Cidadã”, nos moldes do art. 1º da Lei Federal 11.770 de 2008 (alterada pela Lei nº 13.257 de 2016), o período da licença maternidade passa a ser de 180 dias.

 

Julgamento no STF

 

No dia 7 de agosto, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber suspendeu o julgamento da ação que discute se há omissão do Congresso em elaborar uma lei que vai regulamentar a licença-paternidade para trabalhadores. A retomada do julgamento deve ocorrer após 90 dias do pedido de vista da ministra Rosa Weber. Até agora, cinco ministros votaram a favor de forçar o Congresso a criar lei sobre o tema.

 

Grupo de Trabalho na Câmara do Deputados

 

A Câmara dos Deputados criou um grupo de trabalho constituído por parlamentares de diferentes partidos, entidades da sociedade civil organizada e outros grupos para debater a licença-paternidade e desenvolver propostas para aumentar o benefício de cinco dias. O grupo de trabalho criado na Câmara dos Deputados já debateu novos prazos de licença-paternidade de 20 dias a seis meses.

 

“Esse é um tema de interesse geral da sociedade e que vai beneficiar todos a termos uma sociedade mais harmoniosa e igualitária”, concluiu o deputado Goura.

 

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Get Curated Post Updates!

Sign up for my newsletter to see new photos, tips, and blog posts.

Subscribe to My Newsletter

Subscribe to my weekly newsletter. I don’t send any spam email ever!

Pular para o conteúdo