A Serra Verde Express, concessionária dos trens turísticos da Ferrovia Paranaguá – Curitiba, afirmou, em reunião realizada, nesta terça-feira (14), que no dia 20 de setembro inicia os trabalhos de restauração e recuperação da Estação Ferroviária Engenheiro Lange, em Morretes.

 

Há mais de um ano, o deputado estadual Goura (PDT) cobra do Governo do Estado informações sobre a conservação do patrimônio ferroviário do Paraná, em especial sobre as estações Engenheiro Lange e Marumbi, que estão em avançado estado de depreciação.

 

“O Governo do Estado tem que ser cobrado para que ele exija de quem compete fazer a devida gestão e manutenção desses espaços”, destacou Goura.

 

Participaram da reunião com o diretor da Serra Verde, Adonai Aires de Arruda Filho, o representante do Mandato Goura, Ivo Reck; o presidente da Federação Paranaense de Montanhismo (Fepam), Marcio Hoeppers; a presidente do Corpo de Socorro em Montanha (Cosmo), Bárbara Nogueira e o diretor e voluntário do Cosmo, Maurício Savi.

 

 

Concessão à iniciativa privada

 

As estações Engenheiro Lange e Marumbi foram concedidas à iniciativa privada, sendo a primeira à Serra Verde Express e a segunda à Rumo Logística.

 

A Rumo, no entanto, ainda não respondeu ao ofício encaminhado pelo deputado Goura ao diretor presidente da empresa, João Alberto Abreu, solicitando informações a respeito das estações ferroviárias que estão sob responsabilidade da empresa.

 

Entenda o caso

 

Em junho de 2020, um ofício (106/2020) foi encaminhado aos secretários de estado de Infraestrutura e Logística e de Comunicação Social e Cultura, respectivamente Sandro Alex e João Evaristo Debiasi, solicitando informações referentes à conservação do patrimônio histórico ferroviário do Paraná.

 

Em resposta, o diretor-geral da Estado de Infraestrutura e Logística, José Brustolin Neto, informou não dispor das informações sobre o patrimônio histórico ferroviário do Paraná e sugeriu que o pedido de informações fosse encaminhado ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

 

No entanto, em reunião com o Mandato Goura e representantes da Fepam e do Cosmo, a superintendente do IPHAN, Rosina Parchen, esclareceu que nenhuma das duas estações está inscrita na lista do Patrimônio Cultural Ferroviário, pois não foram valoradas pelo Iphan pelo fato de ainda serem operacionais. Não tendo, portanto, o instituto nenhuma responsabilidade sobre elas.

 

Ainda segundo o Iphan, a confusão sobre a responsabilidade na cobrança de ações de recuperação pode ter ocorrido porque as estações estão na poligonal de tombamento estadual da Serra do Mar.

 

Instauração de Inquérito

 

O deputado Goura também encaminhou ofício ao coordenador do Caop das Promotorias de Justiça de Proteção ao Meio Ambiente e de Habitação e Urbanismo do Ministério Público do Paraná, Alberto Vellozo Machado, noticiando o precário estado de conservação de vários imóveis que se encontram no trecho ferroviário entre Piraquara e Morretes.

 

Antes disso, em fevereiro de 2021, uma denúncia feita ao Ministério Público a respeito da depreciação da Estação Engenheiro Lange gerou a instauração de notícia de fato tendo como requerido a Serra Verde Express.

 

“Nós já fizemos uma representação há alguns meses e o Ministério Púbico acatou essa representação, instaurou uma notícia de fato e já transformou isso em um inquérito civil cobrando responsabilização”, ressaltou Goura.

 

Ofício ao Ministério Público Federal

 

O Mandato Goura também encaminhou ofício (N° 112/2021) à Procuradora-chefe do Ministério Público Federal do Paraná, Paula Cristina Conti Thá, uma vez as edificações pertencem à União, sob responsabilidade do DNIT, e o contrato de concessão é gerido pela ANTT.

 

“Desta forma, considerando o envolvimento da União (muito embora os imóveis encontrem-se em área tombada pelo Estado – poligonal de tombamento estadual da Serra do Mar), encaminhamos as presentes informações para o MPF para eventuais providências em relação às Estações mencionadas, bem como em relação aos demais imóveis que se encontram na linha férrea tendo em vista a necessidade de conservação do patrimônio ferroviário do Paraná”.

 

Novas denúncias

 

No dia 12 de agosto, uma nova denúncia sobre a degradação e abandono das estações ferroviárias foi encaminhada ao Ministério Público do Paraná.

 

Assinam esta denúncia a Federação Paranaense de Montanhismo (Fepam), o Corpo de Socorro de Montanha do Marumbi (Cosmo), o Clube Paranaense de Montanhismo, a Associação Montanhistas de Cristo, a Associação João José Bigarella, a Associação das Nuvens Montanhismo e o Clube União Marumbinismo e Escalada.

 

Atração turística x decepção

 

Quem resolve fazer o famoso passeio de trem pela Serra do Mar Paranaense com certeza se encanta com a beleza da paisagem, mas se decepciona com a depreciação do patrimônio histórico ferroviário.

 

Não são apenas as estações de Engenheiro Lange e do Marumbi que estão em péssimo estado de conservação. A exceção é a estação Roça Nova que foi adquirida e revitalizada por um empresário local.

 

A estação de Banhado atualmente, segundo informações disponibilizadas pela própria Serra Verde Express, é mantida pela Rumo, que usa o espaço como alojamento dos trabalhadores de manutenção da ferrovia e como depósito de materiais.

 

A estação Engenheiro Lange, que está totalmente depreciada, leva esse nome em homenagem ao engenheiro Rudolph Lange, que foi o responsável por projetos importantes como a reforma das estações ferroviárias de Curitiba, Paranaguá e Antonina.

 

A Estação do Marumbi foi construída há mais de 80 anos e vem sofrendo com a degradação e abandono. Ponto de parada do trem de turismo, a estação também serve de base para montanhistas e turistas que visitam o local, porém, não oferece nenhum ponto de apoio.

 

 

Casa do Ipiranga

 

O local onde foi construída a Casa do Ipiranga, inicialmente utilizado como ponto de parada para quem descia de Curitiba a Paranaguá. Posteriormente, entre na década de 30, segundo estimativas, foi construída uma casa agradável, com piscina, que era utilizada para lazer dos funcionários de alto escalão da ferrovia. Hoje, não passa de ruínas. A informação é de que o patrimônio não faz parte da concessão atual da empresa Rumo.

 

A Associação SOS Casa Ipiranga é um grupo que surgiu com o objetivo de restaurar a Casa, considerada um dos mais belos patrimônios históricos do litoral paranaense. O grupo mantém uma página no Instagran (@sos.casaipiranga) para conseguir apoio para o projeto.

 

 

Repercussão na mídia

 

As denúncias a respeito da situação do patrimônio ferroviário foram divulgadas recentemente pela CBN e ganharam repercussão.

 

A Empresa Rumo ainda não respondeu ao ofício encaminhado pelo deputado Goura, mas em nota encaminhada à CBN informou que “está em tratativas com fornecedores que possam executar a reforma da Estação do Marumbi, atendendo especificações do Iphan para as melhorias em relação ao patrimônio tombado”.

 

Leia matéria a última matéria publicada pela CBN aqui

 

RPC também repercute denúncias

 

Em reportagem sobre o assunto veiculada no dia 24 de agosto no Meio Dia Paraná, a Serra Verde Express informou que o projeto de recuperação da Estação Engenheiro Lange foi suspenso por causa da pandemia, mas deve ser retomado em setembro. A estação, segundo informou a Serra Verde Express, vai virar um museu da Grande Reserva da Mata Atlântica.

 

Assista a matéria completa da RPC sobre o assunto no link abaixo:

 

https://g1.globo.com/pr/parana/videos-meio-dia-parana/