STF dá prazo de 24 horas para obter novas informações sobre reintegração de posse da ocupação “Povo Sem Medo”

O ministro Luís Roberto Barroso do Supremo Tribunal Federal (STF) fez novo pedido de informações, nesta quarta-feira (24), “quanto à implementação do plano de realocação em moradia adequada” no pedido de liminar feito pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto do Paraná (MTST) contra a contra a decisão da 24ª Vara Cível da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba na ação reintegração de posse, que determinou a desocupação da área da ocupação “Povo Sem Medo”, localizada no Bairro Campo de Santana, na região Sul de Curitiba (PR).

 

No despacho sobre o pedido de liminar na Reclamação 54.454 Paraná, o ministro Barroso alegou que “Em que pese a existência de informações prestadas pelo juízo de origem (docs. 15 a 19), verifico que há alegações de fatos novos, que justificam novo pedido de informações quanto à implementação do plano de realocação em moradia adequada.”

 

Prazo de 24 horas

 

Barroso também determinou que a Comissão de Conflitos Fundiários do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) preste informações, no prazo de 24 horas, sobre as características da ocupação. Segundo ele, “especialmente:

 

  • se o plano de realocação das famílias está sendo executado;
  • se foi oferecida a possibilidade de transferência para abrigos públicos ou outra forma que lhes assegurasse moradia adequada; e
  • quaisquer outras informações relevantes para a apreciação do pedido cautelar.

 

584 famílias

 

A ocupação “Povo Sem Medo” se formou em junho deste ano e conta com 584 famílias, segundo informam as lideranças do MTST.

 

Por decisão do juízo da 24ª Vara Civil de Curitiba, os ocupantes devem deixar o local de forma “voluntária” até o dia 27 de agosto, sob pena de terem que pagar multa individual de R$ 2 mil diários. O terreno de 1,8 hectare pertence à Construtora Piemonte e, segundo MTST, estava abandonado há 30 anos.

 

Comissão de Direitos Humanos

 

O deputado estadual Goura, membro da Comissão de Direitos Humanos e da Cidadania (CDHC) da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), que esteve na ocupação na terça-feira (23), se manifestou sobre o despacho do ministro do STF.

 

“O ministro Barroso reforça as nossas preocupações de que as famílias não sejam despejadas sem nenhum tipo de acolhimento. É uma posição de se ter uma assistência digna e com respeito aos Direitos Humanos”, disse Goura. “Reforça também posições que temos defendido no sentido de se ter uma política pública de habitação efetiva, com orçamento e disposição política para ser realizada.”

 

Segue, abaixo, o despacho do ministro Roberto Barroso: