1.600 pessoas já assinaram. Ajude-nos a chegar a 2.000!

MAIS PEDAL,

MENOS PEDÁGIO!

#cicloviasnasrodovias

Estão em discussão os novos contratos do pedágio no Paraná. Se não agirmos agora, vamos ficar os próximos 30 anos sem infraestrutura cicloviária em nossas estradas.

Queremos menor preço nos pedágios, transparência nos contratos, ciclovias e segurança para motoristas, ciclistas e pedestres nas rodovias. Se essa luta também é sua, preencha o abaixo-assinado para pressionar o governador Ratinho Jr, Governo Federal e órgãos competentes. O documento será enviado para todos. Go!

#cicloviasnasrodovias

O ano de 2021 é decisivo, pois é quando vence o atual contrato de pedágio nas rodovias do Paraná. Depois de 25 anos convivendo com um dos pedágios mais caros do Brasil, escândalos de corrupção nas empresas concessionárias, infraestrutura ruim, poucos trechos duplicados e absolutamente nenhuma segurança para ciclistas, temos a chance de mudar o rumo das rodovias no Paraná.

Somos o 2º estado com mais mortes de ciclistas do Brasil: foram 845 vítimas entre 2010 e 2019 e 892 internações de ciclistas acidentados no SUS em 2020 (dados da Abramet – Associação Brasileira de Medicina de Tráfego). Mas também somos a 5º economia do Brasil, com PIB estimado em R$ 440,02 bilhões: ou seja, temos recursos de sobra para preservar a vida de quem pedala.
Em cumprimento à Lei 18.780/2016 (Política de Mobilidade Sustentável e Incentivo ao Uso da Bicicleta), nós, cidadãos e cidadãs paranaenses, solicitamos que as novas concessões para exploração do pedágio nas rodovias do estado, com vigência de 30 anos, incluam:
1. Transparência: contratos claros e transparentes, para que as novas regras não favoreçam a corrupção generalizada, como aconteceu na concessão anterior.

2. Menor preço: o critério mais justo é a menor tarifa ao usuário, sem outorga e com estradas excelentes em todo o estado.

3. Ciclovias nas rodovias: a demanda por infraestrutura cicloviária já existe e é urgente. Pedimos que os novos contratos incluam entre as obrigações das concessionárias estrutura cicloviária e equipamentos de apoio aos ciclistas, principalmente nos trechos urbanizados, contornos, entroncamentos e conexão entre cidades vizinhas.

4. Circuitos de cicloturismo: implementação dos circuitos regionais de cicloturismo, já aprovados na Assembleia Legislativa – os circuitos do Alto Iguaçu, Litoral, Campos Gerais, Norte Pioneiro, Sudoeste, Vale do Ivaí, Oeste e Pé Vermelho foram propostos como Projetos de Lei pelo Mandato Goura e aprovados entre 2019 e 2020. Investir em cicloturismo é trazer renda aos municípios, saúde às pessoas e respeito ao meio ambiente.

5. Acostamento, sinalização e campanhas educativas: além da duplicação das rodovias, pedimos acostamento seguro e sinalização para o respeito a ciclistas em todas as obras realizadas ou financiadas com recursos do Governo do Paraná, principalmente nas vias com grande fluxo de ciclistas e nos acessos a equipamentos públicos. Campanhas de educação e sensibilização também estimulam a prática e protegem a vida dos mais vulneráveis no trânsito.
Seja em quatro ou em duas rodas, precisamos de estradas mais seguras e acessíveis. Basta de pedágios caros! Chega de perder vidas nas estradas do Paraná! Os cidadãos e cidadãs abaixo apoiam este documento por Mais pedal, menos pedágio nas rodovias paranaenses.
Este abaixo-assinado é uma iniciativa do cicloativista e deputado estadual Goura.



Comunidades de pescadores artesanais de Guaraqueçaba que reivindicam acesso à energia elétrica vão receber visita técnica

Mais um passo para foi dado, nesta quarta-feira (13), para atender à reivindicação de acesso à energia elétrica pelas comunidades de pescadores e pescadoras tradicionais caiçaras do município de Guaraqueçaba, no Litoral Paranaense, que vivem em situação de vulnerabilidade social e econômica por não contarem com esse serviço essencial básico.

Hรก 2 dias
Conferência Popular de Habitação divulga “Manifesto: Por uma Política Pública de Moradia Digna”

“Reivindicamos moradia digna para todas e todos. Morar para dormir, morar para viver, morar para brincar, morar para comer, morar para trabalhar, morar para se registrar, morar para se cuidar, morar para ser!”

Hรก 3 dias
É preciso diversificar a política pública de habitação e combater a desigualdade estrutural para garantir o direito à cidade

No Brasil, em geral, as políticas públicas de habitação, quando existem, não garantem o direito à cidade. Esse modelo, segundo a coordenadora nacional do BrCidades, Erminia Maricato, é resultado da desigualdade estrutural na produção da cidade. Uma das formas de mudar essa realidade, segundo a arquiteta, é diversificar a política de habitação.

Hรก 1 semana