Mandato Goura

Defensoria Pública pede devolução dos R$ 11 milhões do cartão transporte confiscados pela Prefeitura de Curitiba

A Defensoria Pública do Paraná (DPE-PR), por meio do Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon), ajuizou ação civil pública contra a lei que permite o confisco de créditos expirados do cartão transporte em Curitiba e pediu a devolução dos mais de R$ 11 milhões confiscados de usuários do transporte coletivo.

 

Os valores foram confiscados pela Urbanização Curitiba S.A (URBS), empresa que opera o transporte público em Curitiba, após o fim da validade do prazo de um ano estabelecido pela prefeitura municipal de Curitiba por meio da Lei nº 12.597/2008, art. 26, §§ 3º, 4º e 5º e do Decreto nº 649/2014, art. 19.

 

A ação do Nudecon teve início a partir de um ofício (N° 147/2021) encaminhado pelo deputado estadual Goura (PDT), onde ele relata a situação trazida pelo vereador Professor Euler e solicita a atuação da DPE-PR.

 

O coordenador do Nudecon, defensor público Erick Lé Palazzi Ferreira, determinou a instauração de procedimento administrativo, por meio do qual ouviu a URBS, que confirmou os fatos narrados pelo deputado Goura e afirmou que “os créditos realmente perdem validade em decorrência de lei e decreto municipal, bem como fez alguns esclarecimentos solicitados”.

 

“Nós provocamos o Nudecon e eles ingressaram com uma ação civil pública, o que fortalece a legitimidade do nosso pleito. Há uma ilegalidade flagrante por parte da prefeitura no confisco desse valor, que pertence aos usuários e, portanto, eles têm o direito de utilizá-lo quando bem entenderem”, afirmou o deputado Goura.

 

União de forças

 

Goura ressaltou ainda que espera que com esta ação da Defensoria, somada à posição já expressa nos autos por parte do Ministério Púbico do Paraná, que também corrobora os questionamentos, a Justiça se posicione e dê uma decisão favorável à ação ingressada conjuntamente com o vereador Professor Euler para que nas próximas semana haja um desfecho positivo sobre a situação.

 

“Estamos falando do interesse público, do interesse coletivo e de uma gestão do transporte coletivo que siga realmente os princípios da administração pública, da impessoalidade da transparência. Estamos fazendo o nosso papel, enquanto Poder Legislativo, de fiscalizar e de cobrar políticas públicas efetivas nesse sentido”, ressaltou Goura.

 

Ele observou ainda que “o transporte coletivo de Curitiba tem atendido, principalmente na gestão Greca, os interesses dos empresários e não os interesses sociais e coletivos. Essa situação absurda do confisco de milhões de reais dos usuários é mais uma prova dessa atuação do prefeito, contrária aos interesses públicos”.

 

Além de anular a lei que permite o confisco e assegurar a devolução dos valores, o defensor Erick Ferreira, também pretende que a Justiça confirme o direito ao arrependimento do usuário que comprou os créditos para que todos possam resgatar os valores não usados.

 

“A gente quer a determinação judicial para que a empresa concretize o direito de arrependimento do consumidor, que está previsto no Código Civil. Hoje, uma vez colocado crédito no cartão, a URBS proíbe o consumidor de retirar o valor. No prazo de um ano, se não usar o valor, ele é confiscado pela empresa”, explicou.

 

Leia a íntegra da Ação Civil Pública aqui.

 

 

Entenda o caso

 

Além do ofício encaminhado à DPE-PR, o deputado Goura protocolou, em 19 de outubro de 2021, uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) junto ao Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), com pedido de cautelar para a suspensão das leis municipais, decretos do Poder Executivo que determinam este prazo de prescrição.

 

O deputado Goura explicou que foi a partir de um ofício encaminhado pelo vereador Professor Euler (PSD), que ele tomou conhecimento dos fatos e encaminhou as medidas necessárias para se ajuizar a ADI contra o prazo de validade dos créditos dos cartões de transporte e evitar o confisco dos valores pela Prefeitura de Curitiba, bem como o enriquecimento sem causa da Prefeitura de Curitiba e das empresas de transporte coletivo.

 

Ministério Público

 

Na mesma data, deputado e vereador também se reuniram com o procurador-geral de Justiça, Gilberto Giacoia, para comunicar o ajuizamento da ação junto ao TJ-PR e informar que Prefeitura de Curitiba está descumprindo o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado em 2015, através da URBS, após inquérito civil sobre o mesmo tema de confisco dos créditos ao estipular validade de um ano.

 

Leia mais sobre o assunto neste link.

 

Prefeitura de Curitiba é denunciada no TJ-PR por confisco ilegal de milhões de reais em créditos do cartão de transporte dos usuários

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Get Curated Post Updates!

Sign up for my newsletter to see new photos, tips, and blog posts.

Subscribe to My Newsletter

Subscribe to my weekly newsletter. I don’t send any spam email ever!

Pular para o conteúdo