Mandato Goura

Goura e Tadeu Veneri propõem diálogo com Executivo para criação da Delegacia Especializada em Crimes Raciais

Os deputados estaduais Goura (PDT) e Tadeu Veneri (PT) sugeriram, em reunião virtual realizada nesta segunda-feira (15) para discutir os possíveis desdobramentos da Audiência Pública “Combate ao Racismo”, realizada em fevereiro, que a proposta de criação de uma Delegacia Especializada em Crimes Raciais e Delitos de Intolerância seja discutida diretamente com o Governo do Estado.

 

“Sugiro levarmos essa proposta ao Secretário de Segurança Pública, Coronel Marinho, para que isso seja uma ação direta do Poder Executivo”, ressaltou Goura.

 

O deputado afirmou que após pesquisa legislativa, descobriu-se que já existe um projeto de lei sobre o assunto tramitando na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), mas que também existe o entendimento de que a iniciativa desta proposição não seria de competência do Parlamento.

 

O deputado Tadeu Veneri (PT) sugeriu também uma visita ao secretário-chefe da Casa Civil, Guto Silva, para tratar sobre o assunto.

 

Além do deputado Goura e do deputado Tadeu Veneri, participaram da reunião virtual desta segunda-feira a procuradora de justiça, Miriam de Freitas Santos, a defensora pública da União, Rita Oliveira, e o promotor Rafael O. Machado.

 

Aprimoramento dos mecanismos institucionais

 

Para Goura, há muita coisa a ser feita no sentido de aprimorar os mecanismos institucionais que o Governo apresenta para combater o racismo, em especial ao Programa SOS Racismo.

 

É preciso que o crime de racismo seja discutido como tal, que a sociedade o entenda e que o poder público possa ser capaz de fazer o enfrentamento com coragem e urgência, entendendo o tamanho do problema que estamos enfrentando. Não é uma questão simples, é uma questão complexa e que exige de nós um posicionamento firme”, afirmou.

 

A defensora Rita de Oliveira, que apresentou o relatório sobre o tratamento dos crimes raciais no estado do Paraná, durante a Audiência Pública, afirmou que “os dados nos mostram de forma muito palpável que nós temos uma deficiência nessa política pública e que resultam num índice muito vergonhoso de responsabilização dos autores desses crimes”.

 

Rita sugeriu integrar o Consepir (Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial) e a Comissão de Direitos Humanos e da Cidadania (CDHC) da Alep para fazer relatórios periódicos sobre a eficiência dos mecanismos de combate ao racismo. “É o trabalho efetivo de discutir as políticas que podem nos levar ao enfrentamento de racismo institucional que foi detectado”, afirmou.

 

Para o promotor Rafael Machado, o Sistema de Justiça repete e aceita o racismo. “Nós temos uma tendência, uma vez que essas estruturas todas são comandadas por pessoas brancas, a nos identificar com os autores dos crimes. A pensar: ‘mas olha, vejam bem, não foi a intenção, foi um mal-entendido …’ E a gente se apega nesse tipo de argumento e desmobiliza a investigação”, exemplificou.

 

Qualificação de servidores

 

Os participantes da reunião foram unânimes ao falar sobre a importância de promover a qualificação dos servidores responsáveis pelo atendimento às vítimas de crimes de racismo.

 

Goura ressaltou a importância de uma qualificação permanente dos agentes públicos que tratam dos crimes de ofensas raciais e sugeriu a criação de um fórum permanente de discussão sobre racismo, com a participação das instituições e movimentos ligados ao tema. “Vamos juntar forças e a Assembleia Legislativa pode ser este espaço de debates”, afirmou.

 

A defensora Rita Oliveira destacou que é necessário desenvolver ações que priorizem o monitoramento, a fiscalização e o aprimoramento dos instrumentos legislativos que existentes, inclusive no âmbito municipal.

 

Nessa mesma linha, a Procuradora de Justiça, Mirian de Freitas Santos, sugeriu uma visita ao Secretário de Segurança Pública para tratar sobre a qualificação dos servidores. “Vamos pedir para que ele reavalie a possibilidade de os policiais passarem por uma espécie de reciclagem e parem de bater em cidadãos negros”, ponderou.

 

“Estamos vivendo uma segunda escravatura . Agora armada, violenta e que mata crianças. Nós, que nos estabelecemos em outra condição, temos que enxergar o que está acontecendo”, frisou.

 

Rafael Machado afirmou que “mais do que avançar é preciso impedir retrocessos. O racismo não é invenção. O racismo anda de mãos dadas com as fakes news”, lembrou.

 

Tadeu Veneri lembrou que “o racismo não é parte da humanidade. Ninguém nasce racista. Ele é um processo que foi construído para escravizar pessoas”.

 

Para acessar o relatório sobre o tratamento dos crimes raciais no estado do Paraná, clique na imagem abaixo.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Get Curated Post Updates!

Sign up for my newsletter to see new photos, tips, and blog posts.

Subscribe to My Newsletter

Subscribe to my weekly newsletter. I don’t send any spam email ever!

Pular para o conteúdo