Mandato Goura

Goura intermedeia reunião entre servidoras e diretor da Casa Civil para garantir autonomia da Biblioteca Pública do Paraná

A proposta de extinguir a autonomia de gestão financeira e administrativa da Biblioteca Pública do Paraná (BPP) e transferir suas competências para a Secretaria de Estado da Cultura, encaminhada pelo Governo do Estado para a Assembleia Legislativa por meio do Projeto de Lei n. 497/2022, tem encontrado resistência entre servidores e parlamentares.

 

Na sexta-feira (25), o deputado estadual Goura (PDT) participou de uma reunião na Casa Civil com representantes do Governo e da Biblioteca Pública para tentar chegar a um acordo. Uma emenda para suprimir o artigo 57 do Projeto 497/2022 já foi apresentada pela Bancada de Oposição. Leia a emenda de plenário 124/2022 aqui.

 

O Governo argumenta que, com a criação da Secretaria da Cultura, é mais eficiente administrativamente transferir a gestão da Biblioteca Pública para a nova pasta, conforme propôs no artigo 57.

 

“Extingue o órgão de regime especial Biblioteca Pública do Paraná – BPP e transfere suas competências, servidores, dotações orçamentárias, contratos e obrigações à Secretaria de Estado da Cultura, observadas as disposições legais aplicáveis.”

 

Porém, servidoras argumentam que a extinção do Regime Especial vai acabar com a autonomia financeira e administrativa da Biblioteca Pública, o que pode colocar em risco inúmeros projetos que vêm sendo desenvolvidos pela autarquia e a tornam referência não só no estado como no Brasil.

 

Além do deputado Goura, participaram da reunião de sexta-feira o diretor geral da Casa Civil, Luciano Borges, o diretor geral da Secretaria de Comunicação Social e Cultura, Diego de Oliveira Nogueira, o diretor da BPP, Luiz Felipe Leprevost, a assessora técnica da BPP, Vilma Gural Nascimento, e a servidoras da BPP, Lídia Gross e Maria Marta Sienna.

 

 

Biblioteca em números

 

De acordo com dados apresentados na reunião, a BPP faz parte do Sistema Nacional de Bibliotecas e atende o Sistema Estadual de Bibliotecas Municipais, onde estão cadastradas 482 bibliotecas (alguns municípios maiores têm mais de uma biblioteca), com acervos e treinamentos.

 

A BPP desenvolve mais de 20 projetos, de incentivos à leitura e outras expressões culturais, dentre eles: Aventuras Literárias; Aventuras Teatrais; Cine-Pipoca e Picolé; Hora do Conto e Oficina de Trabalhos Manuais, Piquenique Literário; Uma noite na Biblioteca; Oficinas de Criação Literária e Ilustração; Jornal Cândido; Revista Helena; Músicas na Biblioteca; Festa Literária na Biblioteca; Um escritor na Biblioteca, e Caixa Estante.

 

Tudo isso resulta em uma média de dois mil usuários por dia e 500 a 800 livros emprestados diariamente. A visita de alunos também é diária, sendo que em alguns casos, a própria BPP e que custeia do transporte escolar para a visita.

 

Orçamento

 

Ainda segundo os dados apresentados, além dos repasses diretos do orçamento estadual, a BPP tem como fonte de renda própria recursos provenientes do aluguel de auditório; multas; vendas de livros (editados pela Biblioteca Pública) e confecção de carteirinhas.

Esses recursos se destinam a manutenção do espaço físico da biblioteca, acervo, bens imóveis; provimento de folha de pagamento de mais de 70 funcionários, também de vigilância e limpeza, e aquisição de acervo.

Uma das críticas à proposta do Governo é que com a reorganização administrativa a BPP perde a autonomia sobre a arrecadação e previsão dos recursos do Estado.

 

Garantia de orçamento

 

Uma das propostas apresentadas na reunião de sexta-feira é que o governo faça constar em lei a garantia de recursos e a autonomia da gestão administrativa e financeira da Biblioteca, bem como a manutenção das receitas próprias.

 

“Desde 1979 temos status de autarquia, o que facilita a gestão do orçamento. Tanto que a BPP do Paraná é referência no Brasil justamente por contar com orçamento próprio e assim conseguir desenvolver todos esses projetos”, afirmou Vilma ao observar que as bibliotecas que são vinculadas a Secretarias da Cultura ou a Fundações Culturais não têm orçamento próprio.

 

O deputado Goura observou que a proposta do Governo causou espanto ao usar o termo “extinção” na texto. Porém, avalia que é possível chegar a um meio termo que não prejudique a gestão da Biblioteca e o desenvolvimento dos projetos.

 

O diretor da Casa Civil, Luciano Borges, se comprometeu a reavaliar a situação com base em todos os dados apresentados pelas servidoras. “Me comprometo a aprofundar esse debate. Vamos criar uma Secretaria da Cultura porque temos compromisso com a Cultura no estado, mas nada impede que o Governo possa voltar a discutir. Na proposta de Diretoria a ser criada, vamos manter o organograma e o mesmo orçamento”, afirmou.

 

Comissão de Constituição e Justiça 

 

O projeto 497/2022, que dispõe sobre a organização administrativa básica

do Poder Executivo estadual e dá outras providências, está tramitando em Regime de Urgência. Atualmente está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e está previsto para ser apreciado na sessão extraordinária desta terça-feira (29).

 

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Get Curated Post Updates!

Sign up for my newsletter to see new photos, tips, and blog posts.

Subscribe to My Newsletter

Subscribe to my weekly newsletter. I don’t send any spam email ever!

Pular para o conteúdo