Mandato Goura

Goura participa da abertura do 3º Seminário Internacional Fortalecimento da Agroecologia

O deputado estadual Goura (PDT) participou, na noite desta quarta-feira (7), da abertura do 3º Seminário Internacional “Fortalecimento da agroecologia, consequências dos agrotóxicos à saúde humana e à natureza e uma abordagem de vigilância em saúde”, que acontece na UFPR e é promovido pelo Ministério Público do Trabalho no Paraná (MPT-PR) e diversas outras entidades. (Confira abaixo.)

 

Goura iniciou sua fala fazendo um desagravo aos ataques à universidade pública, especialmente à Universidade Federal do Paraná, pelos cortes de verbas promovido pelo Governo Bolsonaro. “Não poderia deixar de registrar meu apoio à universidade pública que mais uma vez sofre ataques”, disse.

 

“Esse seminário acontecer aqui na UFPR é uma demonstração inequívoca do papel da universidade pública na propagação do conhecimento e da ciência. A promoção da agroecologia e a luta contra os agrotóxicos se deve muito mais a resiliência a força dos agricultores, que resistem ainda na agricultura familiar, mas também encontra apoio na universidade pública e a UFPR é um exemplo disso”, alertou Goura.

 

Goura disse que a agroecologia deve ter mais apoio e incentivo dos governos, com assistência e compra direta dos produtores, além de outras ações como crédito direto.

 

Ele lembrou que nesses últimos quatro anos seu mandato promoveu vários debates e audiências públicas sobre os perigos dos agrotóxicos para a saúde humana e à fauna e ao meio ambiente.

 

“Além dos debates, realizamos a audiência pública: Os impactos da deriva do agrotóxico na sericicultura, apicultura, produção orgânica e agroecológica, realizada, em 2021, na Assembleia Legislativa do Paraná”, informou.

Goura destacou dois projetos de lei apresentados por ele que têm o objetivo de restringir e até mesmo banir o uso de agrotóxicos.

 

“O primeiro que apresentamos é o PL que (PL 438/2019), que propõe Curitiba e Região Metropolitana livres de agrotóxicos, que prevê que o comércio, o consumo e o armazenamento de agrotóxicos serão restringidos gradualmente em 50% até 2025 e em 100% até 2030.

 

“O objetivo da proposta é melhorar a saúde e a qualidade de vida da população, preservar os recursos hídricos e favorecer a produção orgânica e sustentável”, disse.

 

Outro projeto citado foi PL 429/2022 propõe que o Governo do Estado institua a Política Estadual de Redução de Agrotóxicos (PERA) e crie a Comissão Estadual de Agroecologia e Produção Orgânica (CEAPO).

 

“A gente precisa de pressão da sociedade contra os agrotóxicos. Precisamos de mobilização social para mudar o sistema que privilegia o uso desses venenos todos. Sem pressão nos legislativos estaduais e federais, não vamos mudar as leis que facilitam o uso de agrotóxicos”, concluiu Goura.

 

Goura no Painel Iniciativas Legislativas

 

O deputado Goura participa do painel “Combate Aos Agrotóxicos E Fortalecimento Da Agroecologia”, às 1o horas desta sexta-feira (9), que contara com a participação de Renato Roseno, deputado estadual do Ceará; Rodrigo Agostinho, coordenador da Frente Parlamentar ambientalista do Congresso Nacional; Juliano de Sá, assessor de gabinete do deputado Edegar Pretto e presidente do CONSEA-RS e da Deputada Paulinha, da Frente Parlamentar Ambientalista de Santa Catarina. A coordenação da mesa será feita pelo vereador e deputado estadual eleito Marquito, o Marcos José de Abreu – Fórum de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos de SC.

 

O seminário

 

O evento acontece no Campus Rebouças da Universidade Federal no Paraná (UFPR) e aberto a estudantes, pesquisadores, agricultores e representantes de movimentos sociais e de entidades públicas e privadas que se interessa pelos temas. Mais informações aqui.

 

Participaram da abertura do

 

do 3º Seminário Internacional “Fortalecimento da agroecologia” a procuradora-chefe do Ministério Público do Trabalho no Paraná (MPT-PR), Margaret Matos de Carvalho; o vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT-PR), desembargador do Trabalho Arion Mazurkevic; o procurador Pedro Luiz G. Serafim da Silva, da Procuradoria Geral do Trabalho ; o promotor de justiça do Núcleo Meio Ambiente do MP-PR, Sergio Luiz Cordoni; o diretor do Setor de Educação da UFPR, Marcos Ferraz e Gustavo Brandalis e da Comissão Ambiental da OAB-PR.

 

Organização e produção

 

Ministério Público do Trabalho no Paraná (MPT-PR), Associação Paranaense dos Expostos ao Amianto e Vítimas de Agrotóxicos (Apreaa), Observatório dos Sistemas Tradicionais e Agroecológicos da Erva-Mate, Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Paraná e Santa Catarina (Fetraf-PR/SC), Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva/UFPR, Núcleo de Estudos Ambientais e Saúde do Trabalhador (Neast/UFMT), Observatório do Uso de Agrotóxicos e Consequências para a Saúde Humana e Ambiental no Paraná – UFPR, Terra de Direitos, Fórum Paranaense Contra os Agrotóxicos, Fórum Catarinense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, Fórum Nacional de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, Associação Brasileira de Agroecologia (ABA)¸Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida, Fórum Gaúcho de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos, Movimento Ciência Cidadã, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e Universidade Federal do Paraná (UFPR).

 

Apoiadores

 

AS-PTA – Agricultura Familiar e Agroecologia, Coletivo Triunfo, DESER/ICAF, Ecoaraucária, Instituto Federal do Paraná (IFPR)/Campi União da Vitória e Irati, Unicentro e Centro de Desenvolvimento e Educação dos Sistemas Tradicionais de erva-mate (Cederva).

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Get Curated Post Updates!

Sign up for my newsletter to see new photos, tips, and blog posts.

Subscribe to My Newsletter

Subscribe to my weekly newsletter. I don’t send any spam email ever!

Pular para o conteúdo