Publicado há 3 semanas

A elaboração dos estudos foi acordada em reunião entre o deputado Goura, que preside a Comissão de Ecologia, Meio Ambiente e Proteção aos Animais da Assembleia Legislativa do Paraná, e o presidente da Fiep, Carlos Valter Martins Pedro, no primeiro semestre deste ano.

 

“Essa parceria com a Federação das Indústrias é importantíssima para que possamos pensar em políticas públicas que fortaleçam o desenvolvimento sustentável no Paraná. É urgente que todos os setores da economia adotem medidas de redução de danos ambientais e a valorização do desenvolvimento humano e social”, frisou Goura.

 

O presidente Carlos Valter se colocou à disposição para a discussão de políticas que possam atrair e valorizar o desenvolvimento sustentável do Estado do Paraná

 

“Agora vamos nos debruçar na análise desses estudos, juntamente com as entidades interessadas, para que possamos pensar projetos e alternativas, tanto para a economia da bicicleta quanto para o Vale do Ribeira, com base em dados reais e atualizados”, frisou Goura.

 

 

Economia da bicicleta

 

O estudo aprofundado sobre a economia da bicicleta no Paraná vai permitir, segundo o deputado Goura, a elaboração de políticas públicas que possam impulsionar o setor em todo o estado.

 

A intenção é aproveitar o potencial e a tendência de crescimento do uso da bicicleta, impulsionado pela pandemia, para o fortalecimento de toda a cadeia deste modal nos próximos anos.

“O estudo que a Fiep realizou é muito completo e vai subsidiar a construção de estratégias que possam potencializar ainda mais, não só o uso da bicicleta no estado, mas toda a cadeia produtiva. Somos o segundo estado em número de empresas de fabricação de bicicletas, triciclos não-motorizados, peças e acessórios, com 80 das 359 existentes no Brasil (dados de 2019), sendo que o primeiro é o estado de São Paulo”, observou Goura.

 

O mesmo levantamento aponta que a indústria da bicicleta gerou em 2019, 733 empregos diretos no Paraná. São Paulo é o que mais gera, com 3.781 postos de trabalho direto, seguido por Manaus com 1040 e Santa Catarina com 857 empregos diretos.

 

O levantamento é amplo e traz ainda os dados dos comércios atacadista, varejista e de reparação de bicicletas, triciclos não-motorizados, peças e acessórios, bem como dados do volume de comercialização, locais das empresas e geração de empregos diretos e indiretos.

 

 

Vale do Ribeira

 

Já o estudo em relação à Região do Vale do Ribeira levantou dados relativos à população, vocação econômica, Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), escolaridade e saúde da população, emprego e renda, entre outros dados que possam influenciar na definição de estratégias para construção de políticas públicas que tenham como foco o desenvolvimento sustentável da região.

 

“A região do Vale do Ribeira possui um dos IDHs mais baixos do Brasil e políticas de fomento são fundamentais para o desenvolvimento econômico e social do Ribeira”, disse Goura.

 

Ele destacou que a região tem potencial para o desenvolvimento do Turismo de Base Comunitária (TBC), cicloturismo, agroecologia, agricultura familiar e cultural, tendo em vista que é a região que concentra o maior número de Comunidades Remanescentes de Quilombos (CRQ) e preservam saberes e práticas tradicionais da cultura do povo negro.

 

 

Projeto Circuito Muchas Minas

 

Goura aproveitou a reunião com o presidente Carlos Valter para agradecer e parabenizar a Fiep e o Sesi Cultura Paraná pela execução do projeto Circuito Muchas Minas que ilustrou quatro espaços de Curitiba com temáticas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), da ONU.

 

“Esse projeto foi uma sugestão que fizemos num primeiro encontro com o presidente Carlos Valter. Então, eu fico muito feliz porque eles abraçaram a nossa ideia e o resultado foi fantástico. Além de chamar a atenção para os ODS, valorizamos o trabalho das mulheres artistas”, afirmou Goura.

 

As intervenções artísticas urbanas foram feitas por mãos femininas. O projeto foi idealizado pela artista Carol Lemes, para enaltecer o papel das mulheres na arte de rua, uma das propostas do Circuito Muchas Minas.

 

Conforme matéria publicada pelo Diário da Indústria & Comércio, as paredes e muros selecionados possuem de 20 a 40 metros quadrados e foram escolhidos em parceria com a Secretaria Municipal de Educação por terem grande circulação de pessoas, em especial, jovens e crianças, que estão em formação de seu repertório intelectual e cultural.

 

A artista de rua Carol Lemes participou do Circuito Muchas Minas e pintou um painel usando a temática do ODS 11 – Cidades e comunidades sustentáveis, na Escola Municipal Mirazinha Braga, no Bom Retiro. A foto é de Luana Muniz.

 

Leia matéria completa aqui.