Há urgência para se encontrar soluções às questões ambientais que se agravam dia a dia e já ameaçam a vida no planeta como consequência das atividades humanas que destroem o meio ambiente, não só nos continentes, mas também nos oceanos. São emergências causadas pelo aquecimento global, a poluição, o desmatamento e a exploração indiscriminada dos recursos naturais.

“Por isso, valorizar e promover as atividades de instituições como as realizadas pelo Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC) do Centro de Estudos do Mar (CEM) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) são tão importantes”, disse o deputado estadual Goura, ao entregar nesta quinta-feira (11), a Menção Honrosa, que foi proposta pelo deputado Goura e aprovada por unanimidade pela Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), para a coordenadora do LEC/UFPR, Camila Domit.

Para o deputado Goura, que preside a Comissão de Ecologia, Meio Ambiente e Proteção aos Animais da Alep, é preciso sair da inação porque as emergências ambientais têm consequências diretas no agravamento dos problemas econômicos, sociais e políticos. Por isso, é necessário mobilizar atores públicos, privados e da sociedade civil organizada em ações que encontrem soluções e revertam os danos ambientais.

“O LEC/UFPR é um exemplo dessa ação fundamental para a preservação que faz uso da ciência que permitem compreender as mudanças que estão ocorrendo no oceano e desenvolver soluções sustentáveis”, disse Goura. “Esse alerta para se agir imediatamente contra as emergências ambientais não pode ser encarado como um alarmismo ou catastrofismo”, afirmou Goura.

Agradecimento

“Agradecemos, em nome de toda a equipe do LEC/UFPR esta Menção Honrosa concedida pela Assembleia Legislativa do Paraná́. O reconhecimento do LEC/UFPR pelos representantes da sociedade paranaense, capitaneado neste ato pelo deputado Goura é um importante estimulo para continuarmos a trilhar nossa missão” disse Camila Domit.

O vice-diretor do Campus da UFPR em Pontal do Paraná́ – Centro de Estudos do Mar (CPP- CEM), Alexandre Bernardino, também participou da homenagem que aconteceu no Centro de Reabilitação e Despetrolização e Análise da Saúde da Fauna Marinha (CRED), que funciona junto ao CEM-UFPR, em Pontal do Paraná, no Balneário Pontal do Sul.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“O LEC coordena e executa ações de pesquisa, monitoramento e resgate de animais da fauna marinha no Litoral do Paraná. São mamíferos como leões marinhos, focas e lontras; aves e tartarugas marinhas, além de arraias, tubarões, lontras e outros animais”, explicou Domit ao apresentar as instalações do CRED ao deputado e assessores.

A pesquisadora explicou que o centro faz parte do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP/UFPR), que atende exigências do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural na Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

“Nós fazemos o monitoramento das praias do nosso litoral para avaliar os impactos das atividades de escoamento de petróleo. Também fazemos o resgate e o atendimento veterinário de animais vivos e a necrópsia dos animais mortos”, explicou.

Colabore com o resgate

“Caso encontre ou capture golfinhos, botos, tartarugas marinhas, foca, lobos ou leões-marinhos, por favor, colabore e comunique a nossa equipe nos telefones 0800 642 3341, (41) 3511-8671 ou (41) 9854-3710. As equipes do LEC-UFPR estão de plantão 24 horas todos os dias da semana”, informou Domit.

Segundo a coordenado do LEC-UFPR, são encontrados, em média, dois mil animais marinhos no Litoral do Paraná. “Deste total, só 8% estão vivos e cerca de 40% dos que passam por atendimento se recuperam.” Ele explicou que nas instalações do CRED são feitos os exames para saber a causa da morte dos animais marinhos.

Crueldade contra animais

“Não é só a atividade pesqueira, poluição, que acontece geralmente por agrotóxicos, ou algum outro tipo de incidente que causam a morte de animais marinhos. Por mais incrível que possa parecer a crueldade contra os animais também é muito impactante. Chegam a amarrar as pernas de gaivotas para empinar como uma pipa ou de arraia como também se diz”, contou.

Década dos Oceanos

A Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável, ou popularmente denominada “Década dos Oceanos”, de 2021 até 2030, foi proposta pela Organização das Nações Unidas (ONU) para conscientizar a população global sobre a importância dos oceanos e para mobilizar atores públicos, privados e da sociedade civil organizada em ações que favoreçam a saúde e a sustentabilidade dos mares. Clique na imagem abaixo e acesse o site da Unesco sobre a Década dos Ocenos (está em Inglês):

Coalizão UFPR pela Década dos Oceanos

A UFPR firmou parceria com a Unesco e lançou uma coalizão para reunir pesquisadores pela Década dos Oceanos, com uma estrutura comum para que a ciência oceânica garanta a implementação da Agenda 2030 no âmbito dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. A ação e articulada pelo Programa de Pós Graduação em Pós-Graduação em Sistemas Costeiros Oceânicos do CEM/UFPR. Clique na imagem abaixo e acesse o site da Coalizão UFPR pela Década dos Oceanos:

Década dos Oceanos no Brasil

No Brasil, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação está coordenando a iniciativa nacional e desenvolvendo o Plano Nacional para a Década dos Oceanos, que tem a participação colaborativa de diversos atores da sociedade, incluindo empresas, instituições de pesquisa, movimentos sociais e organizações não governamentais. Clique na imagem abaixo e acesse o site da Década dos Oceanos no Brasil: