Representantes do Mandato Goura estiveram nesta quinta e sexta-feira (11 e 12) em uma das regiões mais preservadas do Litoral do Paraná: a Ponta Oeste da Ilha do Mel, Ilha das Peças, Barbados e Ilha de Superagui. O objetivo foi conhecer as principais necessidades das comunidades e somar forças com moradores e poder público para levar melhorias à região caiçara. 

Na Ponta Oeste da Ilha do Mel, conversaram com Dona Leonor Pereira e suas duas irmãs, Dirceia e Leoni, nativas da região. Elas compartilharam a importância da aprovação do #PLDaIlha no ano passado, cuja uma das emendas apresentadas pelo Mandato Goura foi responsável por reconhecer a Ponta Oeste como uma Comunidade Tradicional.

“Quero agradecer o Goura por ter lutado a favor da Ponta Oeste, que foi uma batalha muito árdua que nós tivemos, por ter votado a nosso favor e por ter enviado sua equipe até aqui. Espero sua visita em breve na comunidade” disse, emocionada. O principal problema da vila hoje é a falta de energia elétrica, uma demanda antiga da região, bem como a falta de coleta de resíduos.

Recentemente, o Mandato protocolou um requerimento à Casa Civil do Governo do Estado a respeito da falta de eletricidade nas comunidades do litoral e está articulando junto a órgãos competentes e outros atores para resolver com urgência esta solicitação. 

Expediente – Casa Civil – Energia elétrica nas ilhas

A visita continuou na Ilha das Peças, o principal berçário de botos da região, em reunião na Associação de Moradores com o diretor da Escola Estadual, Fernando Brock, Renato “Caiçara”, responsável por diversos projetos de fortalecimento da cultura da região, sua companheira Andressa Gonçalves, e Luis Fernando “Jete”, sobre os principais problemas da Ilha. Na sequência, houve uma reunião com a representante da Cooperativa das Mulheres, Hilda, que mantém um restaurante e uma mercearia para atendimento dos pescadores e moradores locais.

A questão dos resíduos, da precariedade de saneamento e água de qualidade, bem como a falta de boa conexão de internet – fundamental para a volta às aulas – foram apontadas como os principais problemas. Recentemente, protocolamos um requerimento ao Governo do Estado a respeito de algumas questões da Ilha e estamos em contato direto com a prefeita de Guaraqueçaba, Lilian Ramos Narloch (PSC), sobre as demandas dos moradores. 

Expediente – Casa Civil – Demandas Ilha das Peças

O destino seguinte foi a Comunidade de Barbados, na Ilha de Superagui, vila com cerca de 30 famílias. A reunião contou com a presença de Jair Michaud, representante do Mopear (Movimento dos Pescadores Artesanais), a professora da escola da vila, Roscilia Michaud, e Rita R., representando seu companheiro Leno, presidente da Associação de Moradores.

A principal demanda também é a falta de eletricidade. Além de protocolar recentementeo requerimento à Casa Civil a respeito da energia nas comunidades, o mandato segue articulando com outros atores para levar adiante essa demanda.

O último destino, já na sexta-feira (12), foi a comunidade de Superagui, Parque Nacional da União, a ilha mais habitada da região – cerca de 1.000 pessoas, que concentra uma série de problemas de descaso do poder público.

A primeira atividade foi uma reunião na escola da ilha com representantes da Associação de Comércio e Turismo, das Mulheres, dos Moradores, dos Pescadores e dos Catadores, que está sendo formada agora com intuito de diminuir os problemas de resíduos e trazer renda para a população. A equipe foi recebida pela diretora da Escola, Joane, que em janeiro havia trazido a demanda de alguns livros didáticos na escola, que foram arrecadados pelo mandato e entregues durante a visita.

Foram elencados pelos moradores as cinco principais demandas, dentre elas a falta de uma representação do executivo na ilha; a falta de água de qualidade; a inconstância da energia elétrica; o problema da segurança pública e drogadição; bem como a falta de estrutura para atender a turistas e de oportunidades para os nativos.

No período da tarde, visitamos junto a representantes das associações alguns imóveis na entrada da ilha, que historicamente já foram utilizados para atividades comunitárias e de formação de moradores, mas que há anos estão abandonados. Foram debatidas as possibilidades e os caminhos para reocupar os imóveis para uso da comunidade. Na sequência, visitamos o galpão de resíduos da ilha, que precisa urgentemente de uma maior atenção do poder público.

Depois da visita, o mandato formalizará as demandas para encaminhar ao Governo do Estado, prefeitura de Guaraqueçaba – responsável por boa parte das comunidades visitadas – e demais órgãos competentes, bem como somar forças com outros atores políticos para fortalecer a região. 

 

Nosso litoral guarda muitas riquezas naturais e culturais e tem um grande potencial para o turismo sustentável, mas precisa do apoio do poder público. O Mandato Goura segue na luta para que o meio ambiente e a cultura da região sejam cada vez mais preservados, atuando para levar melhores condições e oportunidades de desenvolvimento para moradores e as comunidades litorâneas.