Reitor se diz entusiasmado com projeto de criação de unidade da UFPR Litoral na Vila da Copel, em Antonina

A proposta de criação de uma unidade de ensino, pesquisa e extensão da Universidade Federal do Paraná (UFPR) na Vila da Usina Parigot de Souza da Copel, em Antonina, no Litoral Paranaense, foi recebida com entusiasmo pelo reitor Ricardo Marcelo Fonseca.

 

“Como projeto, a gente se entusiasma com a proposta”, disse o reitor, depois da apresentação feita pelos professores do Setor UFPR Litoral, Ehrick Melzer e Gilson Dahmer. A reunião aconteceu, na terça-feira (22), no gabinete do reitor, e foi articulada pelo deputado estadual Goura (PDT).

 

 

Apoio ao projeto

 

O reitor disse que o projeto está de acordo com os princípios que norteiam a atual gestão. “Pensamos a UFPR de forma estrutural e a proposta de termos uma unidade na Vila da Copel, em Antonina, é bem-vinda. É preciso ganhar o apoio da Copel e superar as limitações que a universidade tem, neste momento, com relação a investimentos”, declarou Fonseca.

 

O deputado Goura explicou que o interesse do mandato pelo projeto surgiu depois que ele visitou a Vila da Copel, em outubro do ano passado. “Desde aquela visita nos colocamos à disposição para ajudar na retomada desse projeto que pode mudar a realidade de Antonina e das comunidades que vivem próximas”, contou.

 

 

“A Vila da Copel na Usina Parigot de Souza está sem uso e poderia cumprir um papel social relevante. Por isso, já entramos em contato com a direção da Copel para falar desse projeto e agora vamos ter a participação da direção da UFPR nessa articulação”, informou Goura.

 

O assessor parlamentar do Mandato Goura, David Couto, lembrou que, em 2019, professores do Colégio Estadual do Campo Hiram Rolim Lamas, que fica na Vila da Copel, ficaram preocupados com a rápida depreciação das estruturas da vila e procuraram professores da UFPR Litoral para retomar uma antiga proposta de ocupação do espaço pela UFPR.

 

Leia a matéria sobre a primeira visita do deputado Goura à Vila da Copel, em Antonina, clicando na foto abaixo:

 

 

“Junto dos professores Ehrick Melzer e Gilson Dahmer, iniciamos então a construção da atual proposta e passamos, desde o início de 2021, a buscar apoio da comunidade e reuniões com Prefeitura de Antonina e direção do Setor Litoral para encaminhar esta proposta de uso da Vila para a direção da Copel e pleitear o espaço para uso da UFPR e da comunidade”, contou Couto.

 

 

Projeto colaborativo

 

Segundo os professores do Setor UFPR Litoral, o projeto foi elaborado de forma colaborativa e contou com a participação de outros professores da UFPR Litoral e de vários representantes da sociedade civil de Antonina.

 

“A primeira iniciativa para dar um uso para a Vila da Copel foi da Associação de Defesa do Meio Ambiente e Desenvolvimento de Antonina (Ademadan), em 2014, quando procurou a Pró-reitora de Extensão e Cultura (Proec) para tratar do tema” contou Ehrick Melzer, que é professor dos cursos de Geografia e Educação do Campo.

 

 

Retomada do projeto

 

Segundo ele, desde então, a proposta já passou por várias instâncias, mas não prosperou. “Em 2020, por iniciativa de professores das escolas e da comunidade de Antonina, com o apoio de professores da UFPR Litoral, retomamos as conversas e, por fim, elaboramos um novo projeto para o uso da Viva da Copel, que se encontra sem uso”, explicou Gilson Dhamer, que também é professor do curso Educação do Campo.

 

Nesta primeira proposta de uso da Vila da Copel pela UFPR Litoral, funcionariam as unidades dos cursos de Agroecologia, Educação do Campo, Geografia e Gestão de Turismo. “Com o tempo e investimentos teríamos uma unidade acadêmica funcional permanente em Antonina”, disse Dhamer.

 

 

Centro geográfico

 

os professores destacaram que um dos principais argumentos para se instalar uma unidade da UFPR Litoral em Antonina é o fato do município estar no centro geográfico do Litoral Paranaense. “Antonina está em uma localização privilegiada, que facilita o acesso para quem está nos outros municípios, tanto ao Norte quanto ao Sul do litoral”, explicou Melzer.

 

Requerimento à Copel

 

No início de fevereiro, o Mandato Goura fez um pedido de informações, por meio de requerimento, sobre as Vilas da Copel pedindo informações sobre: “a atual situação dos espaços que foram originalmente construídos pela Copel para acolher trabalhadores na época da construção de barragens e que, ao longo do tempo, foram sendo ocupadas por prestadores de serviços à empresa, professores e os trabalhadores que atuam nas usinas.”

 

Confira abaixo o pedido de informações sobre as vilas da Copel:

 

 

Também participaram da reunião com o reitor da UFPR, a vice-reitora Graciela Inês Muniz, o diretor de Desenvolvimento e Integração dos Campi da UFPR – Integra, Renato Bochicchio e os assessores parlamentares do Mandato Goura Fabiana Moro e Marcel Jeronymo.