É possível fazer política de uma forma diferente da que estamos acostumados a ver nos noticiários. Essa foi a certeza que ficou para quem acompanhou o bate-papo com o deputado estadual Goura (PDT) e o economista e escritor Eduardo Moreira, nesta sexta-feira (19).

Vários temas foram abordados de forma leve e construtiva. Tanto Goura quanto Eduardo, mostraram que a busca do autoconhecimento por meio da luta política torna possível mudar a lógica e avançar para além das medidas paliativas.

“O nosso convidado hoje é muito especial, porque certamente escolheu o único caminho. Porque o caminho que nos perpetua como espécie é um só, é o caminho de proteger a nossa mãe terra, de nos olharmos como um organismo vivo que só consegue perseverar junto, é acolher o nosso irmão e irmão, entendendo, como diz Papa Francisco, que só existe salvação se nos salvarmos juntos”, iniciou Eduardo Moreira ao apresentar Goura.

Em pouco mais de uma hora de conversa, os dois debateram sobre desigualdades sociais, sustentabilidade, mudanças de paradigmas na política, prisão do deputado federal Daniel Silveira e muitos outros assuntos.

“No movimento da bicicleta, o conceito de massa crítica surge lembrando a ideia de como era o trânsito na China. Não tinha semáforo, então chegava uma, duas, cinco, dez, cinquenta pessoas de bicicleta, e quando formava uma massa, capaz de parar o trânsito automotivo, eles juntos faziam a travessia com segurança e se impunham no trânsito ostensivo e feroz. Acho que esse movimento político que estamos fazendo deve ir neste sentido”, observou Goura ao falar da importância do despertar para a política.

Goura também falou sobre a união de mandatos, instituições, coletivos e indivíduos na busca por mudanças. “Precisamos buscar cada vez mais os pontos que nos unem, entendermos que estamos juntos para atravessar esse mar de asfalto, de violência e de ódio”, ressaltou.

Sobre sustentabilidade, Goura ressaltou que ”existem movimentos no mundo que propõem não um crescimento sustentável, mas um decrescimento sustentável. Porque já passamos de um limite e precisamos sim rever nosso padrão.”

Na mesma linha, Eduardo Moreira destacou que a riqueza que existe para ser distribuída é finita, por isso as reformas devem acontecer de forma conjunta. “É uma reforma estrutural ampla, é uma reforma política da representatividade verdadeira, é uma reforma ambiental e sim, a favor do desmatamento zero”.

Quem não conseguiu acompanhar o bate-papo ao vivo, basta clicar no link abaixo e rever a live.