Mandato Goura

Deputado Goura diz que obras de recuperação da orla de Matinhos devem respeitar critérios científicos e não o calendário eleitoral

“Não somos contra a engorda da praia de Matinhos, nem contra o desenvolvimento do nosso litoral. Mas ela precisa ser feita com atenção aos critérios científicos”, disse o deputado Goura (PDT), no pronunciamento feito, nesta segunda-feira (27), no Plenário da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

 

O deputado disse ter críticas e questionamentos sobre a maneira que a realização das obras de recuperação da orla de Matinhos conduzida pelo Governo Ratinho Junior. “O governador deveria pegar um estudo que foi feito na gestão passada, para a qual ele trabalhou, que é o Plano de Desenvolvimento Sustentável do Litoral, o PDS Litoral.”

 

Goura explicou que o PDS Litoral é resultado de análise profunda e foi feito com muitos estudos. “Foram muitos debates para se ter uma política pública de sustentabilidade real para o nosso litoral”, comentou. “Parece que o que prevalece, nessa pressa imposta para o início das obras, é o calendário eleitoral”, criticou.

 

Segundo o deputado, a partir do PDS Litoral, pode se dizer que há uma falha do governo atualmente na maneira como se aplicam os recursos destinados para essas obras. “Temos críticas e questionamentos sobre a maneira como está sendo feito o investimento de quase 600 milhões para orla de Matinhos e sobre as prioridades para o Litoral Paranaense.”

 

Assista ao pronunciamento do deputado Goura abaixo:

 

 

“Nós temos comunidades lá em Guaraqueçaba, já falamos aqui em plenário, que não têm sequer energia elétrica. Comunidades, como o Sebuí, Vila Fátima, Barbados e Barra do Ararapira, não têm energia elétrica em pleno 2022. Nós estamos falando de uma precariedade no atendimento à saúde de Guaraqueçaba, que não tem o seu acesso terrestre garantido”, criticou Goura.

 

“Enquanto isso o governo prioriza investimento milionário que, inclusive, é questionado pelo Ministério Público (MPPR), que pediu a suspensão das obras na sexta-feira (25), véspera do início oficial das obras”, disse o deputado durante seu discurso no Plenário.

 

MPPR pediu suspensão das obras

 

O Ministério Público afirma que o Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) não foi realizado corretamente e, por isso, as licenças ambientais são nulas. “Destaca-se, novamente, que as obras estão ocorrendo sem controle/fiscalização alguma, pois como enfaticamente descrito na exordial, há uma confusão entre empreendedor, licenciador e fiscalizador. Ou seja, IAT está empreendendo, licenciando e fiscalizando, ou, pelo menos, deveria fiscalizar.”, diz o MPPR no pedido de suspensão das obras. Nesta ação o MP reiterou à Justiça as nove solicitações já feitas na ação, entre elas:

 

  • a anulação do contrato celebrado entre o Instituto Água e Terra (IAT) e o Consórcio Sambaqui – vencedor da licitação para executar a obra;
  • a suspensão de qualquer intervenção, atividade ou obra no local, inclusive, supressão vegetal, extração mineral, aterro, terraplanagem, dragagem, enrocamento, engorda, macrodrenagem, microdrenagem, revitalização, pavimentação e proteção costeira, ou qualquer forma de atividade de construção, instalação ou operação, para evitar o advento de danos ambientais e sociais irreparáveis ou de difícil reparação;
  • a abstenção de promover qualquer intervenção ou execução de obras relativas aos Projetos Básicos e Executivos de Recuperação da Orla Marítima de Matinhos, antes de concluído novo Estudo de Impacto Ambiental, as audiências públicas, a obtenção das anuências prévias das instituições intervenientes e a emissão de válidas Licença Prévia e da Licença de Instalação, pelo IAT/IBAMA e seus gestores;
  • o embargo e a interdição de todos os imóveis, com a suspensão de qualquer intervenção, atividade ou obra no local, inclusive, supressão vegetal, extração mineral, aterro, terraplanagem, dragagem, enrocamento, engorda, macrodrenagem, microdrenagem, revitalização, pavimentação e proteção costeira, ou qualquer forma de atividade de construção, instalação ou operação, para evitar o advento de danos ambientais e sociais irreparáveis ou de difícil reparação.

 

Clique na imagem abaixo e lei a reportagem sobre o pedido do MPPR:

 

 

Encontro com pesquisadores da UFPR

 

O deputado Goura esteve em Matinhos, na Praia de Caiobá, na quinta-feira (23), para conversar com dois professores, dos 17 pesquisadores que integram o Grupo de Trabalho da UFPR (GT UFPR – Engorda) responsável por estudos sobre a engorda da orla e que já produziu quatro notas técnicas desde dezembro de 2021 a pedido do Ministério Público.

 

Leia as notas técnicas do GT UFPR – Engorda clicando na imagem abaixo:

 

 

Os pesquisadores da UFPR, Rodolfo José Angulo, geólogo e professor sênior do Programa de Pós-Graduação em Geologia e o geógrafo Eduardo Vedor de Paula, do Departamento de Geografia, reafirmaram as críticas ao projeto que traria “graves consequências ambientais, paisagísticas e financeiras”. São previstos gastos de R$ 512 milhões, em duas etapas, sendo que nesta primeira da dragagem e engorda serão R$ 314,9 milhões.

 

Os estudos do GT UFPR – Engorda, que conta com pesquisadores de áreas como Geologia, Geografia, Oceanografia, Biologia, Cartografia, Sociologia, Química e Direito, é taxativo em afirmar que a “insistência em se manter este empreendimento, mesmo frente às inconsistências técnicas apontadas, significará, de fato, protelar a solução dos problemas ou até mesmo intensificá-los ou transferi-los para outras localidades do litoral paranaense.”

 

 

 

Recomendada a reformulação do projeto

 

“Nós recomendamos a reformulação da proposta conceitual e do projeto a partir do que temos de melhor e mais moderno da Engenharia Costeira que se pratica em diversos países com excelência”, afirmou o professor Angulo. “Este projeto da forma que foi elaborado deixa grandes dúvidas sobre os resultados das intervenções, se vão mudar a atual situação da orla para pior ou para melhor.”

 

Segundo o professor, o maior problema são as estruturas chamadas de espigões (headlands), que vão avançar em direção ao mar e terão uma praça e mirante. Os espigões servirão para modelar o formato da faixa de areia depositada pela dragagem.

 

 

“Existem outras soluções mais eficientes, que são bem menores que os propostos e que podem ter até 100 metros, segundo o projeto. A meu ver os critérios foram mais paisagísticos do que técnicos”, explicou o professor. “Com essa solução, os problemas de erosão da costa serão transferidos para outros balneários mais ao norte. Primeiro até o Balneário Flórida e depois, em uma segunda etapa, para além do Balneário Saint Etienne.”

 

Angulo informou que os espigões propostos vão reter a areia que é trazida pela corrente litorânea, que passa pelo Litoral Paranaense de forma oblíqua à costa vindo de Barra Velha (SC) e segue até Ilha Comprida (SP). São 300 mil metros cúbicos de areia transportados pelo mar todos os anos.

 

“Na forma que estão propostas estas estruturas vão reter a areia e será necessário todo um sistema para transportá-la para o outro lado do espigão, com custos permanentes para fazer esse ‘bypass’. Estruturas menores, como foram usadas em obras costeiras em outros países, se mostram mais eficientes e não implicam na necessidade de transportar areia de um lado para o outro”, explicou.

 

 

PDS Litoral deveria ser referência

 

Para o professor Eduardo Vedor outro problema da dragagem é a incerteza sobre se a jazida de areia retirada terá o volume necessário e as características para atender toda a obra que se estende por mais de seis quilômetros, em um volume estimado de mais de três milhões de metros cúbicos.

 

“Os estudos do GT UFPR – Engorda questionam o modelo e a concepção do projeto. Não o desenvolvimento do litoral. Nós temos o estudo feito pelo Governo do Paraná, o PDS Litoral, apresentado em 2019, e que indica as diretrizes para o desenvolvimento sustentável. Com essa obra o governo contraria o próprio diagnóstico e solução para a região”, informou Vedor.

 

Segundo ele, o projeto de recuperação da orla de Matinhos concentra um investimento milionário em uma área que já é a de maior renda da região. “Com isso se esquecem os investimentos necessários para outras localidades do litoral que não tem infraestrutura, serviços públicos e são carentes de quase tudo”, disse Vedor.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Get Curated Post Updates!

Sign up for my newsletter to see new photos, tips, and blog posts.

Subscribe to My Newsletter

Subscribe to my weekly newsletter. I don’t send any spam email ever!

Pular para o conteúdo